Deputada Federal Joice Hasselmann (PSL-SP)
undefined
Deputada Federal Joice Hasselmann (PSL-SP)

Em 2018,  Joice Hasselmann (PSL), comemorou os mais de 1 milhão de votos recebidos que a fizeram a deputada mulher mais votada da história do Brasil. Dois anos depois, no último domingo (15), amargou uma derrota na eleição para a prefeitura de São Paulo , onde recebeu 980 mil votos a menos em comparação com 2 anos atrás.

Joice foi líder do governo de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados até outubro do ano passado, quando foi tirada da liderança. Passou a ser uma 'pedra no sapato' do bolsonarismo. Em pronunciamentos e entrevistas, se disse traída pelo presidente e chegou a depôr contra seus filhos, Carlos e Eduardo, no Inquérito das Fake News que investiga o suposto "gabinete do ódio" que ataca reputações de políticos adversários ao presidente.

Para o cientista político Marcio Juliboni , "o ambiente político de 2018 é diferente de 2020", e candidatos declaradamente bolsonaristas passam por um momento de desgaste e rejeição:

"(Joice) surgiu politicamente durante o movimento do impeachment de Dilma Rousseff, na linha de frente no movimento antipetista. E assim como outros nomes (Kim Kataguiri, Carla Zambelli), teve uma projeção muito grande, que fez com que em uma toada só fossem eleitos eles e Bolsonaro", avalia. 

"Em 2018, Joice conseguiu canalizar votos de três públicos diferentes: bolsonaristas, grupo formado por antipetistas viscerais; os lava jatistas, que vão pela linha do Sérgio Moro, e os conservadores de costumes, já que ela deu declarações se dizendo contra o aborto, entre outras coisas", explica o cientista sobre a base eleitoral da política.

No entanto, dois anos depois de o Brasil viver uma eleição em que a direita e 'bolsonaristas' saíram vencedores, os resultados do 1º turno das eleições municipais mostraram uma mudança na linha do eleitorado. E Joice foi vítima disso.

Em pesquisa Ibope divulgada na véspera do dia da eleição (14), a candidata do PSL tinha a segunda maior rejeição em São Paulo , com 26% de citações. Somado à baixa popularidade, o resultado na eleição foi de  1,84% do total de votos, com seis outros candidatos à sua frente.

"Para os bolsonaristas, a Joice é uma traidora. Então dessa forma ela perdeu boa parte do capital político, para os lava jatistas, ela é inócua, pois objetivamente, uma prefeita não tem o que fazer na Lava Jato, tanto que isso sequer foi pauta na eleição, e nem deve ser, então o lavajatismo ela até tentou emplacar na campanha e nos debates quando acenava com uma ‘faxina’ na máquina pública municipal, mas isso não pegou. Então os lavajatistiso estão desmobilizados. Os conservadores foram para outras candidaturas, como a do Russomanno, que tem apoio dos Evangélicos. Para a esquerda, ela é bolsonarista, e não receberá votos. Já para os centristas, ela é uma aventureira, uma incognita", diz Juliboni, sobre o derretimento da base eleitoral de Hasselmann.

Coordenador de campanha elogia Joice

Apesar da derrota no pleito na capital paulista, o economista Marcos Cintra , um dos coordenadores da campanha de Joice Hasselmann, arcedita que não houve erros na disputa. Para ele, o fraco desempenho ocorreu muito por conta da crise interna do PSL, causada pelo atrito entre Jair Bolsonaro , que se desfiliou da sigla no final do ano passado, e Luciano Bivar , presidente do partido:

"Eu não acho que tenha havido erro. A candidata foi muito fiel à personalidade dela. E isso é fundamental. Cada candidato deve mostrar o que é, e ela mostrou ser uma pessoa determinada, corajosa e capaz de enfrentar as dificuldades abertamente, dizendo as verdades. Ela foi muito autêntica, nisso ela foi muito bem. A grande falha da campanha foi organizacional, o partido não estava preparado, por conta da cisão que ocorreu no ano passado. Isso prejudicou muito, tivemos que remontar todas as bases e somado a isso, foi uma primeira candidatura a prefeitura. Acredito ser algo natural de uma primeira candidatura em larga escala de um partido que pela primeira vez se lança para uma campanha tão volumosa como essa", analisa Cintra, que chegou a fazer parte do governo federal, como secretário especial da Recita Federal até setembro do ano passado, quando foi demitido pelo ministro da economia Paulo Guedes.

Sobre a posição da candidata derrota referente ao segundo turno, acredita que a tendência natural é de apoiar Bruno Covas (PSDB):

"O que eu diria em uma primeira abordagem é que ela fica neutra ou eventualmente apoia a campanha do Bruno Covas. Do ponto visto de coerência ideológica, nao faria o menor sentido ela apoiar o Boulos, seria uma surpresa muito grande caso acontecesse. Ela criticou muito a abordagem do Covas e sua administração, mas por conta da gravidade, naturalmente, o eleitor da Joice deve migrar o voto para o PSDB", afirma.

Nesta quinta (19), Hasselmann anunciou que irá apoiar o candidato tucano no 2º turno das eleições municipais:


    Veja Também

      Mostrar mais