O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, foi ao Twitter criticar a votação ocorrida hoje na Assembleia Nacional da Venezuela que tornou o deputado Luis Parra, seu presidente. Parte da oposição ao presidente Nicolás Maduro chamou a votação de "golpe", já que parlamentares ligados a Juan Guaidó foram impedidos de entrar para votar no Palácio Legislativo, incluindo o próprio Guaidó, que era até então o presidente da Assembleia. Guaidó também é reconhecido por mais de 50 países, o Brasil incluso, como presidente legítimo da Venezuela.

Leia também: "Não há nenhum golpe na Bolívia", afirma ministro Ernesto Araújo

Comandante do Itamaraty, ministro Ernesto Araújo
Marcelo Camargo/ABr
Comandante do Itamaraty, ministro Ernesto Araújo

Leia também: Ernesto Araujo diz que crise ambiental é "mentira da esquerda" contra Bolsonaro

"Em Caracas, Nicolás Maduro tenta impedir, à força, votação legítima na Assembleia Nacional e reeleição de Juan Guaidó para a presidência da AN e do governo interino, crucial para a redemocratização do país. O Brasil não reconhecerá qualquer resultado dessa violência e afronta à democracia", escreveu o chanceler brasileiro.

Leia também: Ernesto Araújo diz que Fernández é 'boneca russa' com Lula e Chávez dentro

No tuíte, Ernesto Araújo também compartilhou um vídeo que mostra a Guarda Nacional Bolivariana, fiel a Maduro, impedindo Juan Guaidó de entrar na sede da Assembleia Nacional. O deputado tentou até escalar e pular um portão que cerca o prédio, mas foi impedido pela guarda.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários