Tamanho do texto

Chanceler de Bolsonaro ataca candidato favorito na Argentina, mesmo após ele pedir 'tranquilidade' para governo do Brasil

Ernesto Araújo arrow-options
Alan Santos/PR - 2.7.19
Ernesto Araújo diz que Fernández é 'boneca russa' com Lula e Chávez dentro

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, fez diversas críticas ao candidato favorito a presidente nas eleições da Argentina, Alberto Fernández , em entrevista publicada pelo jornal portenho El Clarín nesta segunda-feira (19). O ministro brasileiro disse “não ter ilusões de que esse kirchnerismo 2.0 seja diferente ao kirchnerismo 1.0” e previu dificuldades caso a ampla vantagem obtida por Fernández sobre Mauricio Macri nas primárias, no dia 11 de agosto, se confirme nas eleições presidenciais em outubro, reiterando que o Brasil pode deixar o Mercosul caso Fernández venha a “fechar a economia”.

Leia também: Citando bíblia, Bolsonaro fala mais uma vez sobre eleições na Argentina

As críticas contra o possível presidente de um país vizinho, incomuns para um chanceler como no caso de Ernesto Araújo , se somam a uma longa lista de críticas dirigidas pelo governo Bolsonaro contra o candidato peronista Alberto Fernández, que tem na ex-presidente Cristina Kirchner sua vice. Bolsonaro tem abertamente defendido o atual presidente Mauricio Macri, prevendo cenários catastróficos, parecidos com o da Venezuela, em caso de vitória da chapa de Fernández.

Nos últimos dias, Fernández, que, logo após ser criticado por Bolsonaro após o resultado nas primárias, chamou o presidente brasileiro de “racista misógino violento”, abaixou o tom e se disse arrependido. Além de pedir para Bolsonaro "ficar tranquilo" porque "não fechará a economia", em entrevista ao jornal Página 12 publicada no domingo, Fernández afirmou que “foi um erro enredar-se nas bravatas dele” e que “se Bolsonaro quer dançar este tango, que não conte comigo”.

"O vínculo entre Brasil e Argentina deve ser indissolúvel, somos sócios profundos demais para pensar que isto possa se dissolver por um presidente de conjuntura, chame-se Bolsonaro ou Alberto Fernández", afirmou, acrescentando não pretender fechar a economia.

Araújo, por sua vez, disse “muito preocupado”, dizendo que “no momento não tem diálogo com ele”. O chanceler brasileiro avaliou as últimas declarações de Fernández como “de conveniência”, afirmando ser necessário olhar para “o histórico e o passado da candidatura” e que “nada do que foi dito dissipa as preocupações”.

"Quando ele diz que seu governo não é necessariamente coisa como o governo de Kirchner, eu, para usar uma imagem, o vejo como uma boneca russa. Há Alberto Fernández, você abre e lá está Cristina Kirchner , você abre e lá está o Lula, e depois o Chávez. Para nós é muito claro. Há uma lógica de racionalidade econômica nessas últimas entrevistas, mas o passado parece muito claro para mim. Há algumas coisas que são ditas na campanha, mas não temos muita ilusão de que este kirchnerismo 2.0 seja diferente do kirchnerismo 1.0", afirmou Ernesto.

Leia também: Bolsonaro sinaliza futura distância com Argentina se chapa de Kirchner vencer

Araújo disse que a visita de Fernández ao ex-presidente Lula na prisão foi “muito ofensiva contra as instituições brasileiras, nosso sistema judicial e nosso processo político”, justificando que “a luta contra a corrupção no Brasil (...) é algo com imenso apoio e respaldo popular”.

O ministro também disse que, ao chegar ao poder, o governo avaliou “livrar-se do Mercosul”, porque não “havia livre comércio intrazona” e “visão de abertura”, não praticando, em sua avaliação, negociações com o resto do mundo. Durante o governo “de Kirchner”, disse Araújo sem especificar se se referia a Néstor ou a Cristina, a Argentina colocava taxas muito altas aos produtos brasileiros, o que seria tolerado “em nome de um ideológico ligado ao Foro de São Paulo”.

Araújo disse ter mudado de ideia ao notar que poderia cooperar com Macri, mas não descartou sair do bloco caso o kirchnerismo volte ao poder.

"Hoje temos um pacto pelo crescimento, competitividade, abertura e prosperidade. Nós não vamos voltar a um pacto de suicídio. Se o Mercosul for novamente vítima de uma ideologização, isso prejudicará o bloco. Não por nossa vontade. Mas o bloco não será mais manipulado por interesses que para nós sejam contrários ao interesse do povo brasileiro e do povo argentino", ponderou.

Leia também: Candidato da chapa de Cristina defende Lula livre e chama Bolsonaro de violento

Perguntado se a escalada de ofensas irá se amenizar, Araújo respondeu que “ninguém a deseja”, mas que o governo continua “preocupado com sinais muito claros do candidato em termos de sua visão de mundo”. "Nossa expectativa é continuar trabalhando com um governo, com um presidente, que tenha uma visão como a nossa, de abertura, de competitividade", afirmou Ernesto Araújo .

    Leia tudo sobre: lula