Tamanho do texto

Senador passou mal durante uma sessão no plenário por conta do estresse; o parlamentar já saiu da UTI e está em casa, de licença até sexta-feira (29)

Jorge Kajuru arrow-options
Marcos Oliveira/Agência Senado
Jorge Kajuru

Após ter uma convulsão no plenário na última terça-feira (20), o senador Jorge Kajuru (Cidadania) afirmou, em entrevista à revista Época , que passou mal por conta da votação sobre a segunda instância. O parlamentar já saiu da UTI e está em casa, de licença até esta sexta-feira. 

Kajuru  passou mal durante uma sessão e foi socorrido por médicos do Senado, sendo retirado do local em uma maca e encaminhado ao hospital Sírio-Libanês. Na ocasião, a assessoria de imprensa do senador afirmou que ele é diabético e teve uma crise convulsiva.

Leia também: Senado adota PEC de prisão em segunda instância da Câmara

"Foi 100% estresse. Foi aquela sessão tensa do Senado. É essa questão da segunda instância. Eu não consigo entender. Perdi a paciência. Estava tudo certo, já estávamos com 48 votos. Era só botar para votar e a gente conseguia o 49º voto, da senadora Mara Gabrilli", contou Kajuru.  "Quando o Davi Alcolumbre percebeu que a gente ganharia, tratorou e a gente acabou não tendo a decisão. Foi quando eu passei mal", completou. 

"Eu não estava bem, fui piorando, piorando. A Leila me viu cair para trás. Foi quando minha coluna travou. Aí ela gritou, e vieram os senadores Otto Alencar, Lucas Barreto, Nelsinho Trad, Marcelo Castro, que são médicos. Eu estava mordendo minha língua e mordi a mão do Nelsinho Trad. O Otto Alencar colocou um lenço na minha boca e começou a cuidar de mim. E gritaram para o Alcolumbre encerrar a sessão", relatou. 

Leia também: Conselho do MP aplica 'advertência' a Deltan por entrevista com críticas ao STF

O senador afirmou ainda que levou "um banho de bronca" dos médicos, de Datena e de Galvão Bueno, e disse que vai "desacelerar". "Na sessão, preciso ter mais equilíbrio. Não vou ficar nervoso à toa, com a declaração de um ou outro senador. Se eu for ter convulsão por causa disso, vou morrer no Senado", disse.