Plenário do Senado
Marcos Oliveira/Agência Senado
Plenário do Senado.

Líderes da Câmara e do Senado chegaram a acordo na manhã desta terça-feira para adotar a proposta de emenda à Constituição (PEC) 199/2019, que tramita na Câmara. O Senado deverá criar uma comissão, a exemplo do que fez com a reforma da Previdência, para acompanhar os debates na Câmara. Com o acordo, uma possível aprovação para restabelecer a possibilidade de prisão após condenação de em segunda instância só será possível em 2020. Além do rito mais demorado, a proposta enfrenta mais resistência na Câmara.

Leia também: Toffoli rebate fala de Paulo Guedes sobre AI-5: "Incompatível com a democracia"

Representantes do Podemos e do PSL reclamaram, ao saírem da reunião, que a decisão é “protelatória”. Para o senador Alvaro Dias (Podemos-PR), a decisão é uma “estratégia de protelação”.

— Procedimento é no ritmo da tartaruga. Não vemos interesse em agilizar — afirmou o senador ao se retirar com colegas do partido da reunião.

Aprovada na semana passada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, a PEC do deputado Alex Manente (Cidadania-SP) ainda precisa ser analisada em uma comissão especial na Câmara, que terá até 40 sessões para deliberar a matéria. Apesar de criada, o colegiado ainda não foi instalado, à espera das indicações dos partidos.

Leia também: "Não se assustem se alguém pedir o AI-5", diz Paulo Guedes ao criticar Lula

Manente, por sua vez, disse que a proposta pode ser votada até o fim do primeiro semestre na Câmara e no Senado .

— (Expectativa é que ) até o fim do primeiro trimestre do ano que vem esteja finalizada no Plenário da Câmara — afirmou o proponente da PEC ao sair da reunião.

A reunião convocada pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) teve a presença do ministro da Justiça, Sergio Moro. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já havia defendido na tarde de ontem que a Câmara já tomou sua decisão sobre o assunto com a PEC de Manente.

Os senadores tentavam desde a quinta-feira passada chegar a um acordo sobre qual projeto seguiria no Congresso. A CCJ da Câmara havia aprovado a PEC na tarde anterior. No Senado, o colegiado presidido por Simone Tebet (MDB-MS) tentava fazer avançar um projeto de lei que altera o Código de Processo Penal com a mesma finalidade.

Leia também: Haddad, Wyllys e parlamentares da oposição condenam fala de Guedes sobre AI-5

Uma audiência pública para discutir o projeto tinha sido marcada para a manhã de hoje, mas acabou cancelada com a convocação da reunião por Alcolumbre.

    Veja Também

      Mostrar mais