Tamanho do texto

Última semana ficou marcada pela quase destituição do Delegado Waldir do comando do PSL da Câmara e a saída de Joice da liderança do governo

IstoÉ

A disputa entre Jair Bolsonaro e o presidente do PSL , o deputado Luciano Bivar (PE), se agravou nos últimos dias e aumentou a guerra intestina dentro da legenda. Os últimos lances dão o tamanho da dramaticidade e expõem a barafunda em que se transformaram as relações políticas do presidente com os aliados. No lance mais recente, Bivar destituiu os filhos de Bolsonaro, Flávio e Eduardo , do comando do partido no Rio e em São Paulo.

Antes disso, os apoiadores do presidente tentaram sem sucesso afastar o líder do partido na Câmara, o Delegado Waldir (GO), substituindo-o por Eduardo Bolsonaro . O episódio chamuscou o presidente. Ele havia declarado que não interferia nos assuntos internos do partido, mas foi exposto pelos próprios parlamentares, que  divulgaram o áudio de uma conversa em que ele tentava angariar apoio para o filho — ele pede apoio à lista para remoção de Waldir. Confrontado com a gravação, mostrou indignação. “Eu falei com meus parlamentares. Me gravaram? Deram uma de jornalista? Eu converso com deputados, eu não trato publicamente deste assunto”, disse na quinta-feira 17.

Alinhado com Bivar, Waldir partiu para o contra-ataque . “Eu implodo o presidente. Acabou o cara. Eu sou o cara mais fiel a esse vagabundo”, disse em reunião com outros deputados do PSL. Ele vinha retaliando deputados da ala dissidente,  retirando-os de posições na liderança do partido e de comissões parlamentares. O vexame do presidente chancela as declarações públicas do deputado, de que Bolsonaro estaria ligando para deputados para destituí-lo do cargo.

“O presidente está ligando para cada parlamentar e cobrando o voto no filho dele”, disse. Ao apoiar a manutenção de Waldir, Joice Hasselmann (SP), também entrou na mira de Bolsonaro,  que a substituiu por Eduardo Gomes (MDB-GO). “Eu ganho uma carta de alforria. Graças a Deus”, afirmou a deputada. Já é possível vislumbrar o que vem pela frente. Para se ter uma ideia do tamanho do estrago, Joice era considerada personagem fundamental na articulação política do governo na visão do presidente da Casa, Rodrigo Maia.

Batalha de listas

Joice Hasselmann arrow-options
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 19.6.19
Substituída na liderança do governo, Joice Hasselmann falou em “carta de alforria”

A batalha nos corredores da Câmara provocou uma guerra de listas de apoiadores na Câmara para que a presidência da Casa oficializasse a mudança. Os bolsonaristas entregaram uma lista com 27 assinaturas para remover o Delegado Waldir . Em seguida, uma contra-lista com 31 parlamentares foi apresentada para mantê-lo. Ocorre que a soma supera a bancada do PSL , que tem 53 deputados. As versões desencontradas provocaram uma confusão no protocolo da Câmara. A Secretaria-Geral fez a conferência das assinaturas e invalidou os dois documentos, mantendo Waldir na liderança.

A solução buscada pela ala bolsonarista era provisória. Eduardo Bolsonaro disse que pretendia ficar apenas até o final ano na liderança do PSL. Ele ainda mantém o discurso de que pretende ser indicado embaixador em Washington, apesar de declarar que este é um objetivo secundário. “O meu compromisso aqui é ficar até dezembro, oportunidade em que teremos eleições para o ano que vem. Muitos deputados foram retirados de comissão, ocorreu uma retaliação e pareceu que se estava fazendo política com o fígado”, afirmou.

O racha no PSL veio a público com outro vazamento. Um apoiador expôs um vídeo em que Bolsonaro o estimula a esquecer o partido porque seu presidente, Luciano Bivar , estaria “queimado pra caramba”. O político ficou ainda mais irritado depois da operação da Polícia Federal que vasculhou seus endereços em busca de sua ligação com o escândalo das candidaturas de laranjas do PSL.

O conflito tem como pano de fundo o controle sobre a milionária verba do Fundo Eleitoral para as disputas municipais de 2020. Bolsonaro foi o fiador do sucesso eleitoral do PSL, que deixou de ser um partido nanico para transformar-se na segunda maior bancada na Câmara. Com o controle da legenda ameaçado, o presidente tenta encontrar uma solução jurídica para mudar-se para outro partido com os correligionários — e a verba eleitoral.

Leia também: Antes "irmãos", Eduardo Bolsonaro e Joice trocam farpas nas redes sociais

Os parlamentares fiéis que fizerem essa transição correm o risco de perder o mandato. Não há solução à vista, e a situação fica cada vez mais delicada para o presidente. Bivar ganhou as últimas batalhas da disputa com Bolsonaro , que se desgasta cada vez — publicamente e entre o grupo que o ajudou a chegar à Presidência.