Tamanho do texto

Tentando frear um possível golpe de Eduardo Bolsonaro para assumir a liderança do PSL na Câmara, Luciano Bivar decide tirar filhos de Bolsonaro do comando dos diretórios do partido no Rio de Janeiro e em São Paulo

Flávio Bolsonaro arrow-options
Reprodução/Twitter
Flávio Bolsonaro deixa de ser o comandante do PSL no diretório do Rio de Janeiro


Flávio Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro não comandam mais os diretórios do PSL no Rio de Janeiro e em São Paulo. Nesta quinta-feira (17), o presidente nacional da sigla, Luciano Bivar, assinou a distituição dos filhos de Bolsonaro nesses estados. A ação é para tentar impedir uma tentativa de Eduardo em derrubar o deputado Delegado Waldir da liderança do partido na Câmara.

Leia também: Líder do PSL diz que vai implodir Bolsonaro: "Sou o mais fiel a esse vagabundo"

Na última quarta-feira (17), deputados do PSL se reuniram para discutir o que fariam após Eduardo Bolsonaro dizer que tinha uma lista com 27 assinaturas de parlamentares do partido que autorizavam que ele assumisse a liderança da sigla na Câmara.

Outros enxergam a ação de Luciano Bivar como uma retaliação contra o presidente Jair Bolsonaro, que na semana passada afirmou que "Bivar está queimado", gerando grande desconforto no partido.

Leia também: Deputado do PSL cria projeto que criminaliza estilos musicais como o funk

Flávio Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro assumiram o comando dos diretórios do PSL no Rio de Janeiro e em São Paulo, respectivamente, quando se filiaram ao partido, migrando junto com o pai do PSC. São os comandantes de cada diretório que decidem como distribuir o dinheiro do fundo eleitoral e do fundo partidário entre os candidatos na época da eleição.