Tamanho do texto

Saúde e possibilidade de protestos dividem auxiliares e familiares sobre viagem do presidente para discursar na abertura da Assembleia Geral

Bolsonaro arrow-options
Alan Santos/PR - 1.9.19
Assessores já admitem que Bolsonaro pode não ir à ONU

Apesar de o presidente Jair Bolsonaro (PSL) ter afirmado há duas semanas e reiterado nesta segunda-feira (16) que iria à 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas "nem que fosse de cadeira de rodas", integrantes do Palácio do Planalto já admitem que o chefe do Executivo pode não comparecer ao evento na próxima semana em Nova York, nos Estados Unidos. Oficialmente, as razões alegadas são apenas restrições médicas. Bolsonaro se recupera de uma cirurgia para correção de uma hérnia, realizada no dia 8 de setembro.

Leia também: Bolsonaro sanciona projeto que amplia posse de arma para propriedade rural

Entretanto, antes mesmo do procedimento médico, alguns assessores de Bolsonaro avaliam, reservadamente, que, após polêmicas envolvendo as queimadas da Floresta Amazônica, há também um risco político pelas possibilidades de protestos.

Entre os auxiliares e familiares do presidente, existe uma divergência sobre a ida ou não à ONU . A equipe médica que realizou a última cirurgia e pessoas próximas a Bolsonaro recomendam que ele não viaje para se preservar. Interlocutores disseram à reportagem que a primeira-dama, Michelle Bolsonaro , tenta convencer o marido a cancelar a viagem.

Outro grupo defende que o momento é fundamental para o governo Bolsonaro se posicionar perante à comunidade internacional e fazer uma defesa pública da soberania da Amazônia , após o embate com o presidente francês Emmanuel Macron , que disse que não assinará o acordo da União Europeia com o Mercosul se o país por não preservar a floresta. Bolsonaro, por sua vez, "quer ir de todo jeito", segundo o relato de um auxiliar.

Um outro assessor disse que, na tarde desta terça, as chances de ida aos Estados Unidos diminuíram. No início da noite, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, admitiu que a ida de Bolsonaro à ONU está "sob análise". Segundo ele, o aval só será dado após Bolsonaro ser submetido a uma nova avaliação da equipe médica na sexta-feira pela manhã. Rêgo Barros destacou que o presidente tem uma boa recuperação e afirmou que a viagem está "praticamente definida."

— A viagem do presidente está sob a análise, praticamente definida, mas ainda sob a análise em participar no quesito avaliação médica, que ocorrerá na próxima sexta-feira — informou o porta-voz.

Questionado pelo GLOBO se a viagem dependerá do resultado da avaliação, o cirurgião Antonio Luiz Macedo também deixou a ida do presidente em aberto:

— Eu não sei ainda se ele vai para os Estados Unidos não — declarou Macedo, que embarcará de São Paulo para Brasília às 7h da sexta-feira.

Na tarde desta terça-feira, o Palácio do Planalto retirou da previsão da viagem a passagem por Dallas, no Texas, onde ele teria um rápido encontro com empresários ligados ao setor militar dos Estados Unidos no aeroporto.

Também foram suspensas reuniões bilaterais com os sete chefes de Estados que ainda estavam sendo alinhavados. Saíram da programação encontros com o o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson , e com o presidente Donaldo Trump, do Estados Unidos, além de conversas com os líderes de Polônia, Colômbia, Peru, Ucrânia e África do Sul .

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) esteve no Palácio da Alvorada durante evento nesta terça e gravou um vídeo no local pedindo que o presidente não vá a Nova York para cuidar da saúde. Ela disse ter notado que Bolsonaro está pálido e emagreceu desde a última operação. "Se você tiver alguém na família que tenha feito 4 cirurgias em 1 ano, entenderá", escreveu a parlamentar no Twitter.

Por enquanto, o embarque da comitiva brasileira, com ministros e parlamentares, além de Bolsonaro está prevista para segunda-feira, dia 23, às 8h, com chegada em Nova York, às 16h. A volta ao Brasil deve ocorrer no dia 25.