Tamanho do texto

Denúncias vão desde nome de pessoas mortas na lista dos que votaram a transporte de eleitores em carro oficial e intimidação do trabalho de fiscais

Pessoas andndo e comprando objetos arrow-options
Lula Marques / Agencia PT
Eleições do PT ocorreram em diretórios de todo o País

Denúncias de fraudes marcaram o processo de eleição interna do PT realizado no último dia 8. As acusações vão da presença de pessoas mortas nas listas de filiados que votaram ao transporte de eleitores em carro oficial, além da intimidação do trabalho de fiscais. Os petistas foram às urnas para escolher os presidentes dos diretórios municipais e os delegados que vão eleger os presidentes estaduais e o presidente nacional.

As supostas irregularidades aparecem em recursos apresentados por chapas que saíram perdedoras. Em São Paulo, Minas, Rio e Pernambuco, as fraudes teriam favorecido a CNB, a corrente majoritária do partido. Os diretórios estaduais agora vão analisar as alegações apresentadas e decidir se serão realizadas novas eleições nas cidades que tiveram problemas.

As denúncias de desvios de conduta em eleições internas do PT são recorrentes. Para um integrante da executiva nacional, porém, a quantidade constatada neste ano é "uma vergonha" para a legenda. Até 2013, o partido escolhia o seu presidente nacional por meio da votação direta dos filiados, mas o modelo está temporariamente suspenso, justamente por causa das queixas de irregularidades.

Leia também: Deputado do PSL é denunciado por chamar PT de “partido de traficantes”

Em novembro, o PT vai reunir os 800 delegados escolhidos na votação de domingo para eleger o seu presidente nacional. A deputada federal Gleisi Hoffmann é candidata à reeleição para permanecer no comando da sigla e conta com o apoio do ex-presidente Lula.

Até quarta-feira, com 87% dos votos apurados, a CNB , corrente que apoia Gleisi, tinha 52% dos votos contra 13% da segunda colocada, a chapa composta pelas correntes Democracia Socialista (DS) e Militância Socialista. Além da atual presidente, devem se candidatar a presidente os deputados federais Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP), e o professor Valter Pomar.

Em São Paulo, a chapa Lula Livre pela Renovação do PT, de oposição ao atual presidente Luiz Marinho (da CNB), pediu a impugnação da votação nas cidades de Tupi Paulista, Carapicuíba e Suzano. Eles dizem que há presença de mortos na lista de filiados que votaram. Em Suzano, também foi verificada a existência de cerca de 20 assinaturas similares na lista de votantes, segundo as denúncias. A chapa opositora ainda disse ter contatado por telefone cinco filiados que afirmaram não terem participado da eleição, apesar das confirmações de presença nos documentos oficiais.

Leia também: Lula usou Luiz Marinho em esquema de corrupção do PT, diz delator

Além das impugnações, foram pedidas auditorias em 31 cidades com participação de filiados acima da média estadual. Em Uirapuru, todos os 42 filiados votaram. A média de comparecimento do estado foi de 23%. Dos 42 votantes, 39 escolheram a chapa da CNB e três votaram em branco.

Em Minas, um grupo de parlamentares , entre eles quatro deputados federais, apresentaram recurso com acusações de terem encontrado dificuldade para ter acesso às listas de votação. Disseram também terem sido impedidos de realizar a fiscalização da apuração porque a sede do partido no estado permaneceu fechada na manhã de quarta-feira. Na representação, os parlamentares escrevem que foram entregues atas de apuração e listas de presença de cidades que não participaram da eleição do dia 8.

Em Virginópolis, no interior do estado, a vereadora Maria Ângela Coelho acusa o deputado federal Reginaldo Lopes de ter promovido filiação em massa na cidade no último dia antes do prazo final para definir os participantes da eleição interna. No processo, teriam se filiado "inclusive de eleitores bolsonaristas". A direção municipal não deu anuência para as novas adesões.

Leia também: Tribunal autoriza que Gleisi Hoffmann atue como advogada de Lula

Reginaldo Lopes nega as acusações e diz que a denúncia apresentada pela vereadora já foi rejeitada pela cúpula do partido. “É mentira dela. Não aconteceu nada disso. Ela é que veio do PMDB e faz essas acusações infundadas”, afirmou.

No Rio, o ex-deputado federal Wadih Damous, candidato a presidente do diretório estadual em oposição à CNB, se queixou de intimidação de fiscais e levantou suspeitas de compra de eleitores na cidade de Niterói. 

“O que aconteceu em outros estados, aconteceu aqui também, o que mostra um determinado padrão ruim desse processo eleitoral interno. Houve casos de ameaça de agressão física a fiscais de chapas de oposição. E tivemos relatos, que eu ainda não posso endossar, de pagamentos a eleitores. Está sendo apurado”, conta.

Leia também: PT faz marcha ao Supremo para cobrar decisão contra a transferência de Lula

Em Pernambuco , a chapa Força Militante, que tem como principal liderança a deputada federal Marília Arraes, pediu a impugnação da votação em boa parte das zonas de Recife e na cidade de Paulista. Na capital, foram encontradas cédulas em que o filiado era identificado com o nome, o que fazia com que o voto deixasse de ser secreto. Em Paulista, na região metropolitana, segundo a impugnação apresentada, eleitores foram flagrados sendo transportados em uma van que presta serviço para a secretaria de Educação da Prefeitura de Recife, que é administrada pelo PSB. Os petistas da CNB trabalham por uma aliança com o socialistas na capital pernambucana na eleição do próximo ano. 

A secretária de organização do PT, Gleide Andrade, disse que as denúncias de irregularidades ainda não chegaram na executiva nacional porque os recursos ainda serão apreciados nos estados.

“Efetivamente não tem nada. A nossa avaliação da eleição é a melhor possível. Tivemos votação em 4,8 mil municípios. Já apuramos 310 mil votos .  No dia da eleição, tudo foi muito tranquilo. Essas coisas que começam a aparecer precisam ser apuradas, tem que ver direitinho”, pondera.