Tamanho do texto

Em participação no programa 'Conversa com Bial', ex-presidente comentou situação do ministro da Justiça e afirmou: "se eu estivesse lá, me demitiria"

FHC arrow-options
Reprodução/TV Globo
Ex-presidente esteve em programa e falou sobre situação do ministro da Justiça

Nesta quarta-feira (4), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi um dos convidados do programa 'Conversa com Bial'. Questionado pelo apresentador sobre a atual situação do ministro Sergio Moro, FHC foi enfático ao afirmar que o ex-juiz errou ao aceitar o cargo.

Leia também: "Ditador vestido de democrata", diz presidente do Senado chileno sobre Bolsonaro

"Foi um erro do Moro aceitar, qualquer ministério seria erro também. Um juiz não necessariamente está qualificado para a função política, ele não tem as características de um líder político. Se eu estivesse lá, me demitiria", afirmou Fernando Henrique.

Recentemente, o ex-presidente tem se tornado um crítico do governo , apontando erros de Bolsonaro e outras figuras do primeiro escalão, e demonstrando preocupação com o futuro do país.

Em entrevista à Istoé , por exemplo, disse que o atual presidente é autoritário e que ao manter a polarização política, atrapalha as reformas, a recuperação da economia e a própria democracia: “Estamos vendo a volta de um tipo de monarquia”.

Leia também: Adélio pesquisou sobre João Amoêdo e ainda mantém obsessão em matar Bolsonaro

Situação do ministro

Moro enfrenta sucessivos atritos com o presidente Jair Bolsonaro, que tem interferido na escolha de cargos na Polícia Federal, instituição sob o comando do ministro. Bolsonaro afirmou recentemente que é ele quem manda na PF, e não Sergio Moro.

Embora tenha minado sua autoridade, o desgaste com Bolsonaro parece não ter afetado sua imagem pública. Ele é o ministro mais bem avaliado do governo , segundo a mais recente pesquisa do Instituto Datafolha.

O levantamento aponta que o ministro é conhecido por 94% dos entrevistados, dos quais 54% avaliam sua gestão no Ministério da Justiça e Segurança Pública como ótima ou boa. A taxa supera a aprovação do próprio presidente, de 29%, segundo levantamento publicado na segunda-feira.

Leia também: Bolsonaro acolhe sugestões e vetará 36 pontos do PL de Abuso de Autoridade