Adélio
Reprodução
Adélio Bispo de Oliveira deu uma facada em Bolsonaro durante a campanha eleitoral

Adélio Bispo de Oliveira , o autor da facada contra Jair Bolsonaro durante a campanha presidencial, mantém do presídio federal de Campo Grande (MS) a obsessão em matar o atual presidente e o ex-presidente Michel Temer. As informações foram obtidas de laudos  psiquiátricos e documentos no processo judicial, divulgados pelo jornal Folha de S.Paulo .

Leia também: Em carta à família, Adélio diz ser vítima de satanismo e maçonaria

De acordo com os laudos, Adélio ameaça matar Bolsonaro e Temer para cumprir uma missão enviada por Deus. O autor da facada disse para avaliadores que uma voz já o mandou comprar uma arma para matar o ex-presidente e que se sente na obrigação de concluir a missão de "salvar o Brasil para a qual foi escolhido por Deus".

Adélio afirma ainda que acredita que Temer e Bolsonaro são parte de um plano para entregar riquezas do Brasil ao FMI (Fundo Monetário Internacional), à máfia italiana e aos maçons. "Quando sair, eu vou matar o Temer. Sei até onde ele mora, no Alto de Pinheiros", disse durante uma avaliação psiquiátrica. 

A Polícia Federal também obteve provas de que Adélio pesquisou o perfil de outros políticos em Juiz de Fora em agosto de 2018, como do então candidato João Amoêdo (Novo). A informação consta em relatório da PF baseado no histórico de sites acessados por ele em uma LAN house da cidade mineira.

"João Amoêdo é maçom?", buscou no Google em 29 de agosto de 2018. Ele também quis saber se Magno Malta (PL), aliado de Bolsonaro na campanha, era da fraternidade.

Leia também: Alvo de polêmicas, Moro é ministro mais bem avaliado do Governo Bolsonaro

Adélio se recusa a receber tratamento para a doença com a qual foi diagnosticado, transtorno delirante persistente.

    Veja Também

      Mostrar mais