Tamanho do texto

Gilberto Natalini (PV-SP) conta em entrevista ao iG como Ustra o torturou dentro do DOI-Codi, em São Paulo: "Sou uma vítima do herói do presidente"

O vereador Gilberto Natalini arrow-options
Paulo Pinto/ Fotos Públicas
O vereador Gilberto Natalini (PV-SP) foi torturado pelo coronel Ustra, considerado herói pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL)

Idolatrado pelo presidente Jair Bolsonaro  (PSL), o ex-chefe do DOI-Codi Carlos Alberto Brilhante Ustra foi o primeiro militar brasileiro a responder a processo e ser condenado por tortura durante a ditadura militar (1964-1985). Uma das pessoas que sofreram na mão dele foi médico e vereador em quinto mandato Gilberto Natalini (PV-SP), que o considera um "monstro" e diz que ele não pertencia à "raça humana".

"Em agosto de 1972, fiquei lá [no DOI-Codi] mais de um mês apanhando barbaramente do Ustra. Eu perdi 60% da audição de um ouvido e 30% do outro porque o Ustra fazia questão de dar choques elétricos nas minhas orelhas para que eu entregasse uma pessoa", conta o vereador à reportagem do iG .

"O coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra , na época major, me torturou muitas vezes pessoalmente e também mandou a sua equipe para torturar. Eu sou vítima direta do herói do
presidente do Brasil", acrescenta o parlamentar, que garante que não fazia parte de nenhuma organização contra o governo militar, mas ainda assim passou cerca de 30 dias preso em São Paulo.

O motivo de sua prisão, conta, foi por manter relacionamento com um grupo político que distribuía jornais contrários à ditadura militar . Os agentes do DOI-Codi queriam saber quem era a responsável pela criação e distribuição dos exemplares. "Eu desmaiei umas três ou quatro vezes [durante as sessões de tortura], mas o nome não saiu da minha boca. Estávamos preparados para morrer, mas não entregar ninguém. Era uma questão de caráter", relata.

O contato de Natalini com todos os grupos políticos que atuavam contra o regime, sejam pacíficos ou armados, deu-se quando ele ingressou na Escola Paulista de Medicina, em 1970, ainda com 17 anos. O hoje médico organizou um movimento estudantil com o intuito de preservar o centro acadêmico após o Ato Institucional Número Cinco (AI-5), considerado o mais duro decreto entre os 17 baixados em 21 anos de ditadura. "A gente [estudantes de medicina] atendia os militantes em atos de solidariedade", lembra.

Leia também: Visto com repulsa na esquerda, Ustra segue poupado pela direita

Além dos choques elétricos , Natalini conta que Ustra utilizava outros métodos de tortura, como a cadeira do dragão , espécie de cadeira elétrica onde a pessoa era amarrada aos
pulsos por cintas de couro e o torturador amarrava fios em locais do corpo, como orelhas, língua, órgãos genitais, dedos e seios, no caso das mulheres. "Uma vez ele me colocou
nu sem sapato em cima de duas latas pequenas, com fios conectados. Jogou água com sal no meu corpo e me deu choque a noite inteira. Além do choque, ele me bateu muito, no lombo,
nas costas, com pedaço de madeira que era tipo um cipó. Ele não mandou, ele bateu várias vezes", recorda o parlamentar.

"Foi mais ou menos um mês de tortura na mão do Ustra. Ele era um monstro, não pertencia à raça humana. Era um ser bestial que torturava pessoalmente homens, mulheres,  jovens, velhos e crianças", acrescenta, mas ressalta não sentir raiva de seus piores algozes. "Eu não tenho ódio do Ustra e dos outros torturadores. Uma vez, em meu consultório, eu atendi um torturador meu. Eu o tratei com delicadeza e apenas ao final da consulta eu me identifiquei. Ele apenas levantou e saiu correndo, sem falar nada", lembra.

Quando questionado sobre as declarações de Bolsonaro sobre Ustra, a quem o presidente já elogiou abertamente mais de uma vez, Natalini foi enfático. "Como médico dou dois
diagnósticos para Bolsonaro: ou ele é insano mentalmente e precisa ser tratado com psiquiatra ou ele saiu da raça humana e entrou no campo da bestialidade", diz. "A tortura está
fora da raça humana e não é animalesca porque animais não torturam. Esse é o diagnóstico que faço como médico pra ele defender e achar que torturador é um herói nacional",
opina.

Ustra e Bolsonaro, arrow-options
Agência Câmara/Agência Brasil
Presidente Jair Bolsonaro (PSL) nunca negou que o torturador Ustra é seu herói

Natalini também diz que nunca imaginou que, 34 anos após o fim do período militar no Brasil, iria presenciar um presidente defender o seu principal torturador. "Quando ele fala, eu sofro pelo Brasil. Nunca imaginei isso. Mas eu convoco o presidente Bolsonaro para tentar voltar à espécie humana. O que ele defende está fora da espécie humana e eu falo com tranquilidade porque eu vivi e sei o que é tortura: abjeta, ignóbil, abominável, sem justificativa. 'Ah, mas o cara era terrorista e não sei o quê'. Não, nada justifica a tortura de um ser
humano sobre o outro", salienta.

Leia também: Bolsonaro colocou militar defensor do golpe de 64 na Comissão de Desaparecidos

Para ele, as declarações de Bolsonaro, que já havia exaltado Ustra quando votou pela abertura do processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff, em 2016, são pensadas e se trata de uma estratégia política. "Ele usa essa estratégia para haver o debate por dias. Essa coisa de anticomunismo, anti-PT. O PT nunca foi comunista ou marxista. É mentira dizer que Lula era comunista. Mas é uma estratégia estudada de Bolsonaro e, na minha opinião, uma estratégia macabra. Ele joga o Brasil no atoleiro da divisão social e ideológica. Faz com que o ódio renasça", avalia.

"Com esse tipo de fala, Bolsonaro levanta o ódio no Brasil e cutuca os fantasmas do País. O insano do Bolsonaro quem faz isso. O nosso presidente, infelizmente, é insano ou é bestial", finaliza o vereador , que presidiu a Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo, Vladimir Herzog.