Tamanho do texto

Flávio Dino (Maranhão) e Rui Costa (Bahia) demonstraram insatisfação após fala do presidente afirmando que políticos querem dividir o País

governador arrow-options
Divulgação
Flávio Dino (PCdoB), governador do estado do Maranhão, quer se candidatar à Presidência

A tensão entre o presidente Jair Bolsonaro e governadores do Nordeste aumentou nesta semana. Sob ataque do presidente , que os acusa de tentar dividir o País, pelo menos dois representantes do Executivo na região já reagiram com insatisfação às declarações mais recentes.

Flávio Dino (PCdoB), do Maranhão, e Rui Costa (PT), da Bahia, manifestaram-se pelo Twitter após as falas de Bolsonaro na segunda-feira (5). Ele declarou que os governadores querem transformar a região "em uma Cuba" e pensam que o Brasil é "o Nordeste e o resto". Ao jornal O Estado de S. Paulo , disse que a maioria dos governadores quer "começar a implementar a divisão do Nordeste contra o resto do Brasil".

Para Dino, o presidente "insistiu em perpetrar impropérios com agressões pessoais". O maranhense citou o desemprego e a recessão como problemas a serem resolvidos com urgência e recomendou ao presidente que se "dedicasse a governar". "Precisamos de união e de paz. O Brasil é de todos nós", tuitou o governador .

Leia também: Advogado processa Bolsonaro no STF por racismo após fala sobre o Nordeste

Rui Costa dedicou duas publicações à polêmica. Primeiro, disse que preferia não comentar as palavras de Bolsonaro e que tem "muito trabalho para fazer pela Bahia e pelos baianos", o que não deixaria tempo disponível para "nutrir preconceito contra ninguém". 

Depois, o petista escreveu: "Luto por uma Bahia, um Nordeste e um Brasil de igualdade e sem ódio. Precisamos de paz e união para desenvolver um trabalho que possa trazer mais dignidade para o nosso povo". 

Há poucos dias, os governadores lançaram o Consórcio Nordeste, cujo objetivo é buscar parcerias em diferentes áreas e atrair investimentos para os estados.

'Paciência'

Bolsonaro reafirmou ao Globo em entrevista exclusiva concedida na semana passada, que vai manter seu estilo de campanha com falas polêmicas. Mas pretende ser um pouco "mais polido".

Leia também:  O presidente e os "Paraíba"

"Paciência. Já sabiam que eu era assim. A gente procura se polir um pouco mais, mas acontece", afirmou.