Tamanho do texto

Presidente disse que "para não começar o dia envenenado", prefere não ler jornais. Ele também voltou a acusar a imprensa de perseguição

bolsonaro arrow-options
Alan Santos/PR - 4.8.19
Jair Bolsonaro participou de culto evangélico e disse que não lê jornais "para não começar o dia envenenado"

Durante um culto evangélico na Igreja Fonte da Vida, em Brasília, neste domingo (4), o presidente Jair Bolsonaro (PSL), disse que não lê jornais para não começar o dia "envenenado". Ele também afirmou que não trabalha pensando em reeleição nas eleições de 2022.

Leia também: Bolsonaro volta defender a legalização do garimpo na Amazônia

"Eu muitas vezes não leio jornal nenhum para não começar o dia envenenado. Não trabalho pensando em 2022", afirmou Bolsonaro para uma plateia de cerca de 2.000 pessoas, além de ressaltar que sabia que seu governo seria alvo de jornalistas, quem ele acusa fazer parte da oposição.

O pesselista também falou sobre 2022 e salientou que se não for reeleito, "espera que chegue alguém melhor", ponderando que, no passado, outras pessoas "demostraram uma sede de poder, nada mais além disso".

Mais cedo, ao comentar reportagem do jornal O Globo que mostrou a nomeação de 102 pessoas do clã Bolsonaro nos últimos 28 anos, o presidente confessou que já empregou parentes e questionou: "Qual é o problema?" .

Bolsonaro ainda acusou a imprensa de distorcer falas dele e que por isso sempre fala com os jornalistas quando sai do Palácio da Alvorada. "Se eu não falar, vem distorção, vem mentira. Se eu falar, a minha equipe está filmando. Mesmo que haja distorções, vão continuar havendo, eu mostro as filmagens do que aconteceu", ponderou.

Leia também: Não é desarmando o povo que vai evitar isso, diz Bolsonaro sobre ataques nos EUA