Tamanho do texto

Presidente lamentou o episódio e disse que isso já aconteceu no País; Há algum tempo, ele promoveu mudanças no Estatuto do Desarmamento

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse que políticas de desarmamento não evitariam ataques a tiro, como os que ocorreram nos Estados Unidos, neste fim de semana. Bolsonaro ressaltou o fato de já terem ocorridos episódios semelhantes no Brasil mesmo o país, "no papel", sendo "extremamente desarmado".

Leia também: Ex-diretor do Inpe diz que não conseguia alertar Ibama sobre desmatamento

Bolsonaro durante entrevista coletiva arrow-options
Carolina Antunes/PR - 30.7.19
Bolsonaro durante entrevista coletiva

"Lamento. Já aconteceu no Brasil também. Lamento, mas não é desarmando o povo que vai evitar isso aí. O Brasil, no papel, é extremamente desarmado e já aconteceu no Brasil", disse Bolsonaro .

Leia também: Grupo terrorista tem plano para matar família Bolsonaro e ministros, diz revista

Na madrugada deste domingo (04), nove pessoas morreram e outras 16 ficaram feridas em um ataque em Dayton , no estado americano de Ohio , nos Estados Unidos. Na véspera, um homem matou 20 e deixou 26 feridos, em um supermercado de El Paso, no Texas.

O presidente já promoveu mudanças por meio de decretos para flexibilizar o Estatuto do Desarmamento facilitando a posse de armas  e enviou ao Congresso um projeto para ampliar as possibilidade de acesso ao porte de armas.

Leia também: Bolsonaro terá cinco dias para explicar indicação de Eduardo para a embaixada

Após deixar o Palácio do Alvorada, Bolsonaro foi à Igreja Fonte da Vida, em Brasília, onde participa de um culto. A cerimônia religiosa é realizada pelo apóstolo César Augusto, que visitou chefe de estado após o atentado a faca que sofreu durante as eleições de 2018. À época, Bolsonaro foi chamado de "mito" pelos fiéis e se emocionou ao abraçar César Augusto.