Tamanho do texto

Em nota, procuradores negaram autenticidades das mensagens divulgadas pela Folha e pelo The Intercept Brasil em que Deltan Dallagnol sugeria ajuda para investigação contra o ministro do STF Dias Toffoli

Deltan Dallagnol arrow-options
Lula Marques/Agência PT
Coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol foi novamente citado em vazamentos


A força-tarefa de procuradores que atuam na Operação Lava Jato em Curitiba afirmou hnesta quinta-feira (1º) que o procurador Deltan Dallagnol nunca pediu para a Receita Federal investigar ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) ou seus familiares.

Leia também: Dallagnol incentivou investigação a Toffoli, diz novo vazamento

Em nota divulgada à imprensa, a força-tarefa disse que as informações que surgiram durante as investigações sobre pessoas que têm foro privilegiado foram encaminhadas à Procuradoria-Geral da República (PGR) por meio de devida formalização, sem qualquer pedido extra de Deltan Dallagnol .

"As investigações realizadas pelos integrantes da força-tarefa sempre foram restritas ao escopo de suas competências perante a 13ª Vara Federal, na 1ª instância do Judiciário. As informações sobre detentores de foro privilegiado que chegaram ao grupo sempre foram repassadas à Procuradoria-Geral da República, como determina a lei. Algumas dessas informações chegaram à força-tarefa porque ela desempenha o papel de auxiliar da PGR na elaboração de acordos, mas nunca por causa de investigações", diz a nota.

Leia também: STF suspende apurações da Receita contra ministros após mensagens de Dallagnol

A manifestação foi motivada por novas supostas conversas envolvendo o procurador. Em sua publicação mais recente, nesta quinta-feira (1º), o jornal  Folha de S.Paulo  e o site  Intercept Brasil divulgaram mensagens em que o coordenador da Lava Jato , Deltan Dallagnol, estaria estimulando a força-tarefa a investigar ministros do Supremo, entre eles Gilmar Mendes e o presidente da Corte, Dias Toffoli, por meio de informações da Receita Federal. A iniciativa abarcaria ainda as esposas dos ministros.

Leia também: Dallagnol deu palestra em empresa investigada pela Lava Jato, revela vazamento

Os procuradores, incluindo Deltan Dallagnol , também afirmaram que não reconhecem as conversas divulgadas pelo site e que as mensagens "têm sido usadas, de forma editada ou fora de contexto, para embasar acusações e intrigas que não correspondem à realidade".