Tamanho do texto

ONG desconfiou da listagem de lugares pelos quais o deputado frequentou e o valor dos gastos: fast food, padarias e restaurantes italianos

Deputado nega acusações que partiu de uma ONG que fiscaliza gastos de deputados no Paraná arrow-options
Dálie Felberg/Alep
Em nota à imprensa, o deputado afirma que as prestações de contas estão disponíveis no Portal da Transparência e que foram aprovadas pela Assembleia Legislativa do Paraná


Após denúncias da ONG Vigilantes da Gestão, a Justiça mandou bloquear mais de R$ 175 mil em bens do deputado estadual Anibelli Neto (MDB-PR). A ONG suspeitou de  prestações de contas do parlamentar,  que pediu ressarcimento para a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Na decisão, o juiz Jailton Tontini, da 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, afirma que o reembolso das despesas desrespeitou as normas da Assembleia .

Depois de análise na listagem dos reembolsos , a Justiça entendeu que nem todas deveriam ter sido devolvidas ao deputado

Leia também: Conheça Boca Aberta, o polêmico deputado que homenageou Moro com troféu na CCJ

A decisão, no entanto, é liminar e cabe recurso por parte da defesa do parlamentar. 

Ao encontrar sinais de inconformidade com as regras da Casa, a ONG Vigilantes da Gestão questionou na Justiça os gastos do deputado. No questionamento, a organização afirma que o parlamentar pediu, entre 2014 e 2019, de apenas um restaurante, 131 reembolsos  

 O deputado pediu que a Alep devolvesse valores de refeições em restaurantes italianos, churrascarias, fast food , panificadores, lanchonetes e até bares. 

Segundo o documento obtido pela ong, em alguns desses lanches o deputado gastou R$600. Em apenas uma padaria, o deputado teria consumido R$391. 

Leia também: Deputada alvo de ofensas após usar decote responde: "Inaceitável é a corrupção"

Em cinco anos, conforme a ONG , o deputado pediu o montante de R$233 mil em gastos com alimentação, sendo que R$ 175 mil foram em Curitiba, onde trabalha e vive com a família. 

Em nota enviada à imprensa, o deputado Anibelli Neto explica que as prestações de contas foram aprovadas pela Alep . Ele ainda diz que os dados estão no Portal da Transparência, onde a ONG denunciante se baseou para denunciá-lo. 

"O deputado destaca ainda que segue rigorosamente as normas estabelecidas pela comissão executiva da Assembleia. Anibelli Neto não é o primeiro deputado alvo desta ONG e, até por isso, segundo o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano, a mesa executiva editou um novo ato normativo para dar mais clareza às normas e evitar interpretações errôneas", complementa a nota.