Tamanho do texto

Laudo, solicitado pela investigação, foi anexado ao processo e confirmou o uso no crime; caso completa um mês nesta terça-feira ainda sem solução

Arma caso Flordelis arrow-options
Gilvan de Souza / Agência O Dia
Enfim, laudo da pistola aprendida no quarto de Flávio dos Santos chegou aos policiais que cuidam do caso

Confronto balístico do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) apontou que a arma apreendida na casa da deputada Flordelis dos Santos de Souza (PSD) foi utilizada para matar o pastor Aderson do Carmo de Souza, marido da parlamentar. O laudo está pronto e anexado no inquérito. O crime completa um mês nesta terça-feira (16) e, até agora, estão presos dois filhos do casal, Lucas Cezar dos Santos Souza, de 18 anos, e Flávio dos Santos Rodrigues, de 38.

Leia também: Vale assina acordo para indenizar famílias de funcionários mortos em Brumadinho

A pistola 9mm foi encontrada dois dias depois do crime na casa de Flordelis , dentro do quarto de Flávio, apontado pela polícia como um dos executores do pai. Na época, a delegada-titular da Delegacia de Niterói, São Gonçalo, Maricá e Itaboraí (DHNSGI), Barbara Lomba, afirmou que havia indicação forte de que a arma apreendida foi a usada no assassinato. A conclusão veio após exame preliminar na pistola feito na especializada que indicou o mesmo padrão balístico. No entanto, era necessário o laudo do ICCE.

Exames feitos também pelo instituto apontaram que os cachorros da família não foram dopados horas antes da morte de Anderson. A hipótese foi levantada no início das investigações pela polícia porque os animais não latiram no momento do crime, o que chamaria a atenção dos vizinhos. Esse laudo também já está pronto e anexado às investigações.

Oficialmente, a Polícia Civil não confirma a informação. Como tem feito nos últimos dias, a instituição segue afirmando que não pode dar detalhes das investigações porque o caso está sob sigilo.

Dias Toffoli dirá se Flordelis poderá ser investigada ou não

A Polícia Civil e o Ministério Público do Estado aguardam uma decisão do ministro Dias Toffoli , presidente do  Supremo Tribunal Federal (STF) e responsável por julgar processos durante o recesso do SFT, para tomar uma medida importante na investigação. É que o caso já está praticamente solucionado e os investigadores querem saber se poderão ou não investigar a deputada federal.

Será a decisão de Toffoli, sobre a imunidade parlamentar de Flordelis, que dará um norte para a Polícia Civil e o MP para a definição do caso. A expectativa é que o resultado seja divulgado ainda nesta semana, tanto do STF quando da polícia.

A informação traz nova luz à investigação, apontando que os policiais da DHNSGI acreditam no envolvimento da parlamentar no crime e podem ter encontrado indícios de sua participação. Entretanto, como o caso corre em sigilo, as possíveis definições ainda estão no campo da suposição.

Leia também: Na contramão de Bolsonaro, ministro anuncia mil novos radares em rodovias

Advogado da família quer que mãe do pastor preste depoimento

No final da tarde desta segunda-feira (15), o advogado Ângelo Máximo — contratado pela irmã de Anderson — disse ao Dia que levará a mãe do pastor a DHNSGI para que ela preste depoimento. "Estamos querendo ajudar nas investigações e acredito que ela tenha informações que possam ajudar", disse Máximo.

Na conversa, o defensor de Michele do Carmo de Souza voltou a atacar a parlamentar e voltou a afirmar que Flordelis tenta atrapalhar as investigações passando "informações inverídicas".