Tamanho do texto

Na opinião dos católicos, 66% dizem que presidente fez menos pelo País do que se esperava; por parte dos evangélicos, a frustração alcança os 56%

mourão, bolsonaro e doria
Marcos Corrêa/PR - 3.7.19
Vice-presidente Hamilton Mourão, presidente Jair Bolsonaro e governador de São Paulo, João Doria

Uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (8) aponta um salto de 11 pontos da aprovação do presidente Jair Bolsonaro na parcela mais rica da população brasileira – em contramão ao observado em outros segmentos.

Leia também: Aprovação do governo Bolsonaro atinge 33% e é a pior desde Collor, diz Datafolha

De acordo com o levantamento, o percentual dos que avaliam a gestão Bolsonaro como ótima ou boa é de 52% na faixa dos que ganham acima de dez salários mínimos. No levantamento anterior, em abril, este percentual era de 41%.

Além do avanço na aprovação, o percentual dos mais ricos que consideram o governo "ruim ou péssimo" recuou de 37% para 32%. Já o percentual dos que o consideram "regular" é de 15% entre aqueles que ganham acima de dez salários mínimos.

Segundo o Datafolha , a avaliação do governo é mais crítica entre aqueles que recebem de cinco a dez salários mínimos. O percentual de aprovação nesta faixa de renda caiu de 43% em abril para 37% neste mês. Já a avaliação como "regular" oscilou de 26% para 29% nesta faixa. Entre os que consideram "ruim ou péssimo", o percentual oscilou de 28% para 32%.

Leia também: Mais quatro anos? Bolsonaro fala em reeleição para entregar país melhor em 2026

De acordo com o levantamento, o governo Bolsonaro é aprovado por 33% dos brasileiros . Este é o índice de entrevistados que consideram ótimo ou bom o desempenho do presidente nesses primeiros seis meses de gestão. Para outros 31%, a administração de Bolsonaro é considerada regular e, para outros 33%, ruim ou péssimo.

Católicos e evangélicos

Na segmentação por religião, a pesquisa do Datafolha aponta que 66% dos que se declaram católicos consideram que o presidente Jair Bolsonaro fez menos pelo país do que se esperava neste início de mandato. Entre os evangélicos , 56% apresentam esta opinião, de acordo com o levantamento.

Segundo a pesquisa, o percentual geral dos que acreditam que Bolsonaro fez menos do que se esperava na Presidência até agora é de 61%. Outros 22% veem seu desempenho como previsível. Para 12% dos entrevistados, o presidente está acima das expectativas.

Leia também: Com governo Bolsonaro, PT deve fazer alianças inéditas para eleições de 2020

O levantamento, feito entre os dias 4 e 5 de julho, ouviu 2.860 pessoas com mais de 16 anos, em 130 cidades e tem uma margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança – isto é, a probabilidade de que o resultado represente a realidade da população sobre o governo Bolsonaro – é de 95%.