Tamanho do texto

Pesquisa foi realizada entre 4 e 5 de julho e ouviu 2.860 pessoas com mais de 16 anos; os números se mantiveram estáveis desde a última avaliação

Bolsonaro
Clauber Cleber Caetano/PR
Apesar de alterações mínimas, a avaliação do governo Bolsonaro se mantém estável, aponta Datafolha

O governo de Jair Bolsonaro é aprovado por 33% dos brasileiros, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira. Este é o índice de entrevistados que consideram ótimo ou bom o desempenho do presidente nesses primeiros seis meses de gestão. Para outros 31%, a administração de Bolsonaro é considerada regular e, para outros 33%, ruim ou péssimo, números próximos aos apresentados pelo instituto há três meses.

Leia também: Com governo Bolsonaro, PT deve fazer alianças inéditas para eleições de 2020

De acordo com o Datafolha , a avaliação está entre as piores no período analisado desde o governo de Fernando Collor de Mello, em 1990. Ao fim dos primeiros seis meses do governo, Collor era reprovado por 20%, enquanto 34% avaliavam como ótima ou boa sua gestão. Os outros presidentes desde então (Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff ) tiveram avaliação superior.

Ainda segundo a pesquisa, para 61% dos entrevistados, Bolsonaro fez menos do que se esperava na Presidência nos últimos meses. Outros 22% veem seu desempenho como previsível e 12%, acima das expectativas.

Leia também: "Falta só a reforma da Previdência", diz Paulo Guedes após vitória do Brasil

Em relação à expectativa positiva em relação ao seu governo, 51% dos entrevistados preveem uma administração ótima ou boa contra 59% da pesquisa anterior. Os que acham que seu governo será regular subiu de 16% para 21%. Os que acham sua passagem pela Presidência será ruim ou péssima se manteve dentro da margem (23% para 24%).

A enquete do Datafolha , feita entre 4 e 5 de julho, ouviu 2.860 pessoas com mais de 16 anos, em 130 cidades e tem uma margem de erro de dois pontos percentuais.

Leia também: Perdendo fiéis e com obras paralisadas, igrejas de Flordelis entram em crise