Tamanho do texto

Apesar de levar o nome da parlamentar, Ministério Flordelis era comandado por Anderson do Carmo; sem ele, grupo começa a ter problemas de gestão

Flordelis
Fernando Frazão/Agência Brasil
Na última semana, parlamentar já teve que fechar uma das unidades do grupo por 'falta de pastor'

A morte do pastor Anderson do Carmo de Souza , que completou três semanas neste sábado (6), desencadeou uma crise nas igrejas fundadas por ele e por sua mulher, a deputada federal Flordelis (PSD). Na última quarta-feira, uma das filiais , que fica no bairro de Pendotiba, Niterói, foi fechada. O Ministério Flordelis, apesar de levar o nome da parlamentar, era administrado por Anderson, que exercia o cargo de presidente.

Leia também: Perícias, novos depoimentos e reconstituição: próximos passos do caso Flordelis

Com o assassinato do pastor Anderson, o ministério também perdeu outra importante liderança. Um dos filhos adotivos dele com Flordelis , o vereador de São Gonçalo Misael, cujo nome de batismo é Wagner de Andrade Pimenta, resolveu deixar a igreja fundada pelos pais. O rapaz, que também é pastor, trabalhava na administração dos templos com Anderson. Além de Misael, outro filho adotivo do casal, Luan Santos, também pastor, resolveu sair do ministério após o crime, cometido na casa da família, em Niterói, no último dia 16.

Na quarta-feira passada, cinco dias após o desligamento de Misael e Luan, Flordelis decidiu fechar uma de suas seis igrejas, a de Pendotiba, mesmo bairro onde fica a casa da família. Sua assessoria afirma que o fechamento é temporário e alega que os dirigentes da unidade se desligaram após a morte do pastor, por isso não há ninguém para realizar os cultos. O mesmo movimento está acontecendo em outras igrejas, que também correm o risco de fechar as portas.

Na noite da última quinta-feira, a reportagem do Jornal Extra esteve no culto realizado na sede do ministério, no Mutondo, em São Gonçalo. Cerca de 100 fieis estavam presentes no local, que pode abrigar até 1.500 pessoas. A cerimônia começou por volta das 19h15. Poucos antes das 20h, a pastora Flordelis entrou na igreja e sentou na primeira fila de cadeiras, ao lado de alguns de seus filhos, entre eles Carlos Ubiraci Francisco Silva. Também pastor, Carlos assumiu a administração do ministério.

A pastora foi ao palco em dois momentos para cantar a música ‘‘Jó’’, da cantora gospel Midian Lima. O culto, conduzido pelo pastor Querley Libério de Araújo, durou cerca de 1h30.

Leia também: Flordelis perde apoio e tem futuro incerto no PSD após morte do marido

Em setembro deste ano, a sede do Ministério Flordelis deixaria de ser no Mutondo e passaria para o bairro do Laranjal. Desde o início de 2017 estava sendo construída uma nova sede — era o principal projeto de Anderson para a igreja. Após o crime, a obra teria sido interrompida. O local foi planejado para abrigar 5 mil fieis e a inauguração estava prevista para 5 de setembro, durante o Congresso Internacional de Missões.

A assessoria da deputada nega que a obra da nova sede esteja paralisada. Na última quinta-feira, o EXTRA esteve no local e obteve a informação de que dois funcionários que estavam na construção apenas limpavam o terreno.