Sergio Moro
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 2.7.19
Ministro Sergio Moro durante depoimento à CCJ da Câmara dos Deputados

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, negou-se a responder a uma questão formulada pela deputada Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT.

Durante sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados , Gleisi questionou o ministro sobre denúncias feitas pelo ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran a respeito da relação dos advogados Marlus Arns e Carlos Zucolloto Junior com a esposa de Sergio Moro , Rosângela Wolff Moro.

Segundo Duran, Zucolloto Junior e Marlus o procuraram para oferecer benefícios  num eventual acordo junto à força-tarefa de procuradores da Lava Jato , o que passaria pelo abrandamento de sua pena em Curitiba e multa mais barata em troca do pagamento de propina.

Leia também: "Se eu disse, foi algo mais inocente possível", diz Moro sobre "in Fux we trust"

Gleisi Hoffmann questionou: "Eu quero te fazer perguntas bem objetivas, o senhor diz 'sim' ou não', pode ser com a cabeça: sua esposa, Rosangela Moro, trabalhou ou teve escritório com os advogados Marlus Arns e Carlos Zucolloto? Outra pergunta: o senhor ou a sua esposa mantêm ou mantiveram contas no exterior? Já receberam valores no exterior?"

Moro voltou a desqualificar Tacla Duran e disse que "não tem nenhuma relação" com o advogado Marlus Arns, ponderando que, "até onde tem presente, é uma pessoa com absoluta correição". Mas se negou a falar sobre a sociedade de sua esposa com Zucolloto Junior.

"Relativamente à referência à minha esposa, lamento, repudio essa afirmação. Eu acho muito baixo. A minha conduta pode ser atacada, pode ser atacada a Lava Jato... Mas colocar familiar que não tem qualquer relação com os fatos... Eu repudio essa insinuação", disse o ministro.

"Em relação ao Zucolloto... É um amigo da família. Não tem nenhuma relação com Lava Jato, com investigado. Fizeram, lamentavelmente, ataques contra ele para tentar me atacar. É uma coisa tão deplorável... Começam a atacar parente, amigo, não tem nada a ver", continuou.

Leia também: "Parece a Escolinha do Professor Raimundo", diz presidente de sessão com Moro

Sobre supostos recebimentos no exterior, Sergio Moro foi categórico: "É maluquice. Não tenho conta no exterior, sempre agi com absoluta correição. Se alguém quer me acusar disso, então apresente algum documento. Não sou eu que sou investigado por corrupção".

    Veja Também

      Mostrar mais