Tamanho do texto

Irritado com o comportamento dos colegas, deputado Felipe Francischini (PSL-PR) ameaçou duas vezes encerrar a sabatina com o ministro da Justiça

Sergio Moro e Felipe Francischini (PSL-PR)
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 2.7.19
"Parece a Escolinha do Professor Raimundo", diz presidente de sessão com Moro na CCJ da Câmara, deputado Felipe Francischini (PSL-PR)

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça(CCJ) da Câmara dos Deputados, Felipe Francischini (PSL-PR), ameaçou duas vezes encerrar a sabatina na qual o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro , é ouvido nesta terça-feira (2).

Francischini ficou irritado com o comportamento dos colegas, que iniciaram um bate-boca antes de Moro começar a responder as perguntas dos primeiros seis parlamentares que expuseram suas perguntas. O tema da sessão é a suposta troca de mensagens entre o ex-juiz e o procurador Deltan Dallagnol,coordenador da Operação Lava Jato .

"Pelo amor de Deus! Parece a 'Escolinha do Professor Raimundo' isto aqui", disse Francischini, aumentando o tom de voz e fazendo referência ao programa humorístico que fez sucesso sob o comando de Chico Anysio.

Leia também: Haddad responde acusação de Olavo de Carvalho e o chama de "lixo humano"

Assista abaixo em publicação feita pela líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP):

A fala do presidente da sessão aconteceu pouco após o líder do PSL na Câmara , o deputado Delegado Waldir, reclamar das primeiras perguntas dos parlamentares. Dos seis que abriram a sabatina, cinco eram da oposição. O deputado reclamou que havia outros temas sendo mencionados, para além das mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil .

Francischini esclareceu que Moro está presente na sabatina como convidado, uma vez que não houve convocação assinada pelas comissões (há quatro delas integrando a sessão). Nesse caso, de acordo com o presidente da CCJ, é aceitável que a sessão não se restrinja a um único ponto.

Leia também: Jorge Kajuru deixa o PSB após 'briga' por defender decreto das armas

A partir da explicação de Francischini, deputados começaram a falar em voz alta e, então, ele reclamou no microfone até que houvesse silêncio para que Moro passasse a responder às questões.