Tamanho do texto

Ex-governador é acusado de receber propina em troca de contratos para favorecer consórcio liderado pela Odebrecht para obras da PR-323

Beto Richa
Facebook/Reprodução
Ex-governador do Paraná já é réu em sete processos

O ex-governador do Paraná,  Beto Richa , seu irmão Pepe Richa, que é ex-secretário de infraestrutura do estado, além de outras cinco pessoas, se tornaram réus em mais um processo da Operação Lava-Jato do Paraná.

Leia também: Maria do Rosário sofre derrota na Justiça em ação contra Bolsonaro

Os procuradores apuram irregularidades em licitação para parceria público-privada em consórcio liderado pela Odebrecht para a duplicação da PR-323, que liga Maringá a Francisco Alves. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), a empreiteira pagou propina em troca de favorecimento no consórcio.

O caso é chamado de Operação "Piloto" e tem como base as colaborações premiadas dos executivos da empresa. O codinome "piloto" é atribuído a Beto Richa e foi identificado por delatores da empresa nas planilhas de pagamentos do setor de Operações Estruturadas da Odebrecht , mais conhecido como departamento de propina.

Richa e seu irmão vão responder por fraude a licitação, corrupção passiva e lavagem de dinheiro . Somente Richa é acusado de receber mais de R$ 3 milhões de propina neste caso.

Também se tornaram réus o contador da família Richa, Dirceu Pupo Ferreira, o ex-secretário de Infraestrutura e Logística Ezequias Moreira Rodrigues, o ex-secretário especial de Cerimonial e Relações Exteriores Luiz Abi Antoun, além de Rafael Gluck e José Maria Ribas Mueller, executivos de uma das empresas do consórcio, a Tucumann Engenharia.

Richa já chegou a ser preso três vezes, mas está solto desde abril, quando a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná ( TJ -PR) aceitou seu pedido de liberdade.

Leia também: PF vai ouvir assessores ligados ao ministro do Turismo  e ex-candidatos do PSL

Atualmente, o ex-governador é alvo de quatro operações no Paraná.

Agora, Richa já responde a duas ações penais no âmbito da Lava-Jato. Em fevereiro, ele se tornou réu por suspeita de corrupção na gestão de contratos de pedágios no Paraná.

No total, Beto Richa é réu em sete processos.