Tamanho do texto

Assessores de Marcelo Alvaro Antonio e ex-candidatos do partido foram indicados na investigação sobre candidaturas laranjas em Minas Gerais

Marcelo Alvaro Antonio
Roberto Castro/ M Tur
Ministro do Turismo está em meio de investigação sobre candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais


A Polícia Federal vai ouvir três assessores de Marcelo Alvaro Antonio, o ministro do Turismo, e pelo menos quatro ex-candidatos do PSL nas eleições de 2018 para a investigação sobre supostas candidaturas laranjas do partido em Minas Gerais. Como o caso corre em sigilo, pode ser que mais pessoas tenham sido indiciadas.

Leia também: Juiz determina soltura de assessor do ministro do Turismo

Presidente do PSL em Minas Gerais, Marcelo Alvaro Antonio, segundo reportagens do jornal Folha de S. Paulo , é um dos beneficiados das verbas obtidas pelas candidaturas laranjas. O hoje ministro do Turismo foi eleito deputado federal.

Com os indiciamentos, os três assessores no Ministério do Turismo terão que prestar esclarecimentos em Minas Gerias, onde corre a investigação. O caso é analisado pela Justiça Eleitoral.

Leia também: Conversa de Bolsonaro com Moro será decisiva para futuro do ministro do Turismo

As suspeitas são de crimes de apropiação indébita de recurso eleitoral, falsidade ideolõgica eleitoral e associação criminosa. O ministro, por enquanto, ainda não foi indiciado.

Na última quinta-feira (27), Mateus Von Rondon, considerado o principal assessor de Marcelo Alvaro Antonio, foi preso temporariamente e permaneceu na prisão até esta segunda-feira. 

Leia também: Mourão diz que Bolsonaro pode demitir ministro do Turismo, após investigações

Partido de maior bancada na Câmara dos Deputados, o PSL tem denúncias de candidaturas laranjas em Minas Gerais e em Pernambuco. Os casos estão em sigilo pela Justiça Eleitoral,