Tamanho do texto

Delegada Bárbara Lomba, titular da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), pediu a prisão temporária dos dois pelo crime

Anderson do Carmo, marido de Flordelis, foi executado
Reprodução
Anderson do Carmo, marido de Flordelis, foi executado

Em uma acareação realizada na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), envolvendo Lucas dos Santos, 18 anos, e Flávio dos Santos Rodrigues, 38, o irmão mais velho confessou ter mandado matar o pai, o pastor Anderson do Carmo , casado com a deputada federal Flordelis , segundo a polícia.

A Justiça já aceitou o pedido de prisão temporária de 30 dias dos dois pelo assassinato de Anderson do Carmo . O pedido foi feito pela delegada Bárbara Lomba, no plantão judiciário, nesta quinta-feira.

Os agentes ainda seguem investigando, já que há pontos contraditórios no depoimento de Flávio, mas o caso está perto de ser concluído. A motivação seria briga por dinheiro, diferente da versão de crime passional surgida depois. Fontes alegam que Anderson era controlador em relação ao patrimônio da família.

Leia também: Arma achada no quarto do filho de Flordelis foi usada para matar pastor

Marcello Ramalho, novo advogado de defesa da família, disse que irá à DHNSGI, ainda na tarde desta quinta-feira, para se inteirar do andamento das investigações. "Estamos entrando na causa e estamos nos inteirando da forma como estão sendo conduzidos o inquérito e a investigação. Eu vou à delegacia pegar mais detalhes".

Questionado sobre a deputada, Ramalho afirmou que ela está "evidentemente arrasada e quer a punição das pessoas envolvidas no crime, sejam elas quem forem".

Advogada deixa o caso

A advogada Luciene Diniz Suzuki deixou a defesa dos filhos da deputada federal Flordelis, na noite da última terça-feira, após o jornal O DIA divulgar que Lucas dos Santos havia confessado participação do assassinato do pai, o pastor Anderson.

A informação foi confirmada pela própria Luciene na tarde desta quinta-feira. "Fazia assessoria jurídica do Anderson, da Flordelis, de toda a família e das igrejas há dez anos. E, por tal motivo, estava acompanhando o inquérito desde o início". 

Leia também: Witzel lamenta morte do pastor Anderson do Carmo e promete rigor na investigação

A empresa que fazia a assessoria de imprensa de Flordelis também parou de assessorar a família. "Por dificuldades de agenda profissional a partir de hoje, dia 20, deixamos de representar a Deputada Federal Flordelis na relação dela com a imprensa", diz a nota enviada à imprensa.