Tamanho do texto

Informação foi confirmada pela delegada Bárbara Lomba, titular da DH, com base em uma perícia preliminar. Um laudo final será realizado pelo ICCE

Flordelis
Cléber Mendes /Agência O DIA
Flávio Rodrigues, filho da deputada Flordelis, foi preso após enterro. Ele é apontado como um dos mandantes do crime

A arma encontrada no quarto do filho da deputada federal Flordelis (PSD-RJ), uma pistola calibre 9mm, foi a utilizada para matar o pastor Anderson do Carmo, 42 anos. A informação foi confirmada pela delegada Bárbara Lomba, com base em uma perícia preliminar. Um laudo final será realizado pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE).

Leia também: Polícia encontra suposta arma utilizada para matar marido da deputada Flordelis

"Eu não estaria falando se não fosse, é irresponsável. Essa é a arma, encontramos na casa a arma utilizada no crime", disse Bárbara Lomba, titular da Delegacia de Homicídios de Niterói , São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI).

Uma munição é formada por estojo e projetil. Cada vez que uma arma faz um disparo ela deixa uma espécie de impressão digital no estojo, parte que é expelida ao se realizar um disparo. As mesmas impressões foram encontradas nos disparos feitos na perícia da arma e nos nove estojos recolhidos no local do crime.

Flávio não possui porte de arma. No local, os agentes também encontraram uma carteirinha de clube de tiro. Ele ainda será confrontado sobre o resultado da balística.

Nesta terça-feira, outros dois filhos da deputada federal Flordelis (PSD) foram levados à Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), para prestar depoimento sobre a morte do pastor Anderson do Carmo . Durante quase cinco horas, os agentes da DHNSGI e do Ministério Público vasculharam a casa da parlamentar atrás do celular do pastor, mas o aparelho não foi encontrado. Uma pistola foi apreendida e os policiais fizeram testes para saber se a arma foi utilizada no crime.

Leia também: Acusado de mandar matar o pai, filho de Flordelis passa mal dentro de cela

Antes da operação, a polícia chegou a pedir que a deputada entregasse o aparelho do marido mas, diante da demora, decidiram pedir autorização à Justiça para realizar a busca e apreensão e foram atendidos. A parlamentar reiterou a informação aos policiais de que o celular havia sumido. Nas próximas horas, conforme os agentes, o caso deve ser solucionado.

Duas viaturas entraram na residência de Flordelis à tarde. A parlamentar acompanhou as buscas, que também foram feitas na Comunidade Evangélica Ministério Flordelis-Cidade do Fogo, no Colubandê, em São Gonçalo, onde o religioso realizava cultos.