Tamanho do texto

Declaração foi dada durante assinatura da MP para agilizar venda de bens apreendidos do tráfico, que contou com a presença do próprio ministro

Moro e Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR - 11.6.19
Bolsonaro volta a defender Moro no governo: "Motivo de honra para brasileiros de bem"

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, nesta segunda-feira (17). Segundo Bolsonaro, é motivo de "honra, satisfação e orgulho" ter o ex-juiz em seu governo.

"Eu quero dizer ao prezado Sergio Moro que é motivo de honra, satisfação, orgulho... não pra mim, mas para todos brasileiros de bem, tê-lo nessa função que se encontra", afirmou Bolsonaro ao abrir sua fala sobre a assinatura da medida provisória (MP) que facilita a venda de bens apreendidos do tráfico de drogas , sob aplausos dos presentes, entre eles, o próprio ministro.

"Pra mim foi um motivo de honra e satisfação um homem que é um símbolo que quer mudar o seu País. Que em cima daquilo que ele aprendeu, naquilo que se propôs a servir a pátria como juiz estava fazendo e nos orgulhava a todos. E após essa conversa lá em casa ele falou da sua vontade, e era meu interesse também, de ocupar o Ministério para poder, por mais meios, combater o crime organizado, a lavagem de dinheiro e a corrupção", acrescentou.

Direcionando sua fala ao general Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o presidente ainda disse que passou a ser alvo "por parte do inimigo" por conta do trabalho de Sergio Moro . "Quando se tem a verdade e Deus ao se lado, ninguém nos atinge".

O texto assinado por Bolsonaro prevê que a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) seja dotada de instrumentos legais para transformar os produtos apreendidos ou confiscados em recursos para aplicar em políticas públicas.

Em pronunciamento, o ministro disse saber que medidas provisórias só devem ser editadas em "casos excepcionais", mas disse que essa é bastante simples e considerá-la muito "relevante e urgente".

De acordo com o Ministério da Justiça , as novas regras sobre itens confiscados devem dar mais eficiência e racionalidade na gestão de bens apreendidos. Além disso, o documento assinado pelo presidente deve autorizar a contratação temporária de engenheiros em projetos de contrução de presídios.

Leia também: Moro quer usar bens confiscados de criminosos para construir mais cadeias

Em nota, o Ministério afirmou ainda que, com a assinatura da MP, "será possível transformar, mais rapidamente, os bens apreendidos em recursos financeiros para aplicação em investimentos sociais".

"Os valores arrecadados com a venda já poderão ser utilizados em políticas públicas antes mesmo do fim do processo judicial", afirma o comunicado emitido pela pasta do governo Bolsonaro .

Decreto das armas

O presidente também aproveitou seu pronunciamento para pedir o apoio de parlamentares no que classificou de "batalha do decreto das armas ". "Quer desarmar o povo quem quer o poder absoluto", declarou.

No sábado, durante cerimônia militar em Santa Maria (RS), o presidente defendeu que o povo tenha o direito de andar armado "para que tentações não passem na cabeça de governantes para assumir o poder de prova absoluta".

"A nossa vida tem valor. Mas tem algo muito mais valoroso que nossa vida, que é nossa liberdade. Além das Forças Armadas, defendo o armamento individual para nosso povo para que tentações não passem na cabeça de governantes para assumir o poder de prova absoluta", disse o presidente, durante evento em memória ao marechal Emilio Mallet, o patrono da Artilharia.

Leia também: Após derrota, Bolsonaro renova apelo para Congresso manter decreto das armas

No sábado, ele também publicou em suas redes sociais um pedido para que a população cobre dos senadores a manutenção de seu decretos que flexibilizaram o porte de armas.

Na semana passada, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado votou pela revogação dos atos do presidente. A decisão, porém, ainda precisa ser referendada pelo plenário da Casa. 

O governo foi derrotado na CCJ , na última quarta-feira, por 15 votos a nove. Senadores aliados de Bolsonaro admitem preocupação com a possibilidade de o resultado contra os decretos seja mantido no plenário da Casa. A votação seria na própria quarta, mas o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em acordo com os líderes, decidiu adiar para esta semana e deve acontecer na terça-feira (18).