Tamanho do texto

Chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) negou que houve cobrança por falta de alinhamento ideológico e político ao agora ex-ministro

General Heleno
Marcos Corrêa/PR
Heleno diz que saída de Santos Cruz do governo foi um "divórcio sem litígio"

O general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), afirmou ao jornal O Globo que a saída do general Carlos Alberto dos Santos Cruz , agora ex-ministro da Secretaria de Governo, foi um "divórcio sem litígio" entre Santos Cruz e o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com Heleno , que esteve presente na reunião na qual foi decidido o afastamento do ex-ministro, em momento algum foi dito a Santos Cruz que em sua gestão faltou alinhamento ideológico e político com o governo.

Leia também: Bolsonaro deve enviar projeto de lei para extinguir conselhos mantidos pelo STF

"Como disse o presidente Bolsonaro , isso foi como um casamento que acabou sem briga, não tem mais explicação", assegurou o militar.

Perguntado sobre os conflitos entre Santos Cruz , filhos de Bolsonaro e Olavo de Carvalho, considerado uma espécie de guru do bolsonarismo e que há cerca de um mês fez duras críticas ao agora ex-ministro das redes sociais, o chefe do GSI afirmou que "não teve nada disso".

Leia também: Após derrota, Bolsonaro renova apelo para Congresso manter decreto das armas

"Isso são fatos que aconteceram, mas não tem nada a ver... eles (Bolsonaro e Santos Cruz) simplesmente chegaram à conclusão de que era melhor terminar", ampliou Heleno , que confirmou o nome do general Luiz Eduardo Ramos como sucessor de Santos Cruz. "Bolsonaro e Santos Cruz são amigos há 40 anos e nada mudou", finalizou.