Tamanho do texto

Os dois foram indicados por Queiroz para os cargos, mas nunca emitiram crachás ou registraram entrada, apesar de lotados no gabinete do vereador

Carlos Bolsonaro
Caio César/CMRJ
Ambos os funcionários que trabalhavam no gabinete de Carlos Bolsonaro foram indicados por Fabrício Queiroz

Ambos os ex-funcionários ligados ao ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, e empregados no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro – outro filho do presidente Jair Bolsonaro – jamais emitiram crachá funcional ou registraram entrada como visitantes na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. As informações são da edição desta segunda-feria (3) do jornal O Estado de S.Paulo .

Leia também: Flávio Bolsonaro empregou assessores sem crachá na Alerj

De acordo com as regras do órgão, qualquer servidor da Casa precisa fazer uma das duas coisas para comprovar que tem frequência, mesmo que exerça funções externas – já que um deles era motorista. Logo, como nenhum dos dois executou qualquer uma das ações, passaram o período em que estavam lotados no gabinete de Carlos Bolsonaro sem ter a presença atestada pelo sistema da Câmara.

Os documentos foram obtidos pelo jornal por meio da Lei de Acesso à Informação e mostram detalhes das investigações sobre Claudionor Gerbatim de Lima e Márcio da Silva Gerbatim, alvos do Ministério Público do Rio. Ambos tiveram sigilos bancário e fiscal quebrados na investigação que apura suposto esquema de lavagem de dinheiro no gabinete de Flávio Bolsonaro

Leia também: Bolsonaro volta a dizer que confia em Flávio e que Queiroz precisa se explicar

"Se for servidor da CMRJ, para qualquer função que exercer, deverá utilizar o crachá funcional", diz a nota enviada pela assessoria da Casa ao Estado. "Para nomeado para cargo em comissão ou efetivado via concurso público, o crachá funcional será emitido para acesso às dependências do Legislativo, seja qual for a atividade a ser exercida", continua.

Claudionor e Márcio são, respectivamente, sobrinho da atual mulher de Fabrício Queiroz e ex-marido dela. Queiroz , por si só, é o pivô da investigação sobre repasses suspeitos na Alerj . Oficialmente, ele era motorista de Flávio, quando movimentou em sua conta cerca de R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e o mesmo mês do ano seguinte. O valor foi considerado "atípico" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras ( Coaf ).

Leia também: Bolsonaro reafirma amizade com Queiroz, mas pondera: 'Pode ter coisa errada aí'