Tamanho do texto

Parentes de Ana Cristina Valle, segunda mulher de Jair Bolsonaro, foram empregados no gabinete de Flávio quando ele era deputado estadual no Rio de Janeiro, mas quatro deles sequer tinham crachá para entrar na Alerj

IstoÉ

Flávio Bolsonaro
Edilson Rodrigues/Agência Senado - 9.5.19
Flávio Bolsonaro já está envolto em outras suspeitas da época em que era deputado estadual

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) empregou parentes de Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro, quando ele era deputado estadual no Rio de Janeiro (RJ). Segundo o jornal O Globo , quatro deles não tinham crachá funcional da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Leia também: Bolsonaro volta a dizer que confia em Flávio e que Queiroz precisa se explicar

O vendedor aposentado José Procópio Valle e Maria José de Siqueira e Silva, pai e tia de Ana Cristina, trabalharam cinco e nove anos, respectivamente, no gabinete de Flávio Bolsonaro . O senador disse que os parentes da ex-mulher do presidente foram nomeados porque eram “qualificados para as funções que exerciam”.

Em abril, Queiroz , Flávio e outras 84 pessoas e 9 empresas tiveram o sigilo fiscal e bancário quebrados pela Justiça do Rio a pedido do Ministério Público. Segundo o jornal O Globo , os promotores encontraram  indícios robustos de uma organização criminosa no gabinete  do atual senador quando ele era deputado na Alerj por recolher parte do salário dos assessores, prática conhecida como “rachadinha”, e fazer transações imobiliárias com valores fraudados para “lavar dinheiro”.

Leia também: Bolsonaro reafirma amizade com Queiroz, mas pondera: 'Pode ter coisa errada aí'

O ex-assessor alega que arrecadava o dinheiro dos colegas de gabinete para contratar outros assessores externos para aumentar a capacidade eleitoral de Flávio Bolsonaro , mas que o então deputado estadual não tinha conhecimento.