Tamanho do texto

Dos 54 votos petistas, apenas Vicentinho votou pelo 'Sim', junto com deputados do PSL, partido do presidente Bolsonaro, e outros governistas

Deputado Vicentinho
Divulgação
Deputado do PT, Vicentinho se confundiu e votou com governo Bolsonaro para manter Coaf com Moro

O deputado Vicentinho (PT-SP) protagonizou um momento inusitado na votação da Medida Provisória que trata da reforma administrativa do governo, nesta quarta-feira (22). Ele foi o único petista a votar a  favor da manutenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) no Ministério da Justiça, um desejo do ministro Sergio Moro e do governo.

Oposição ao presidente e a favor da incorporação do órgão de controle financeiro à pasta da Economia, a bancada do partido votou em massa pelo "Não", enquanto o deputado do PT apertou o "Sim". Segundo a assessoria de imprensa de Vicentinho, ele se confundiu e disse que votaria com o partido, mas na hora de confirmar o voto no sistema eletrônico atrapalhou-se e indicou voto "Sim", junto com a bancada do PSL .

Leia também: Moro admite derrota em decisão sobre Coaf: "Perder faz parte da democracia"

Quando percebeu o que havia feito, já não dava mais para voltar atrás. Foi então que, ao olhar para o placar com os números da votação, o petista percebeu o erro e se assustou.

"Eu me surpreendi porque estou acostumado a votar sim nos requerimentos de obstrução. Na hora eu vibrei com o resultado que, inclusive, nós ganhamos", disse Vicentinho .

Foi aí que os colegas avisaram o deputado. "Eles deram risada e disseram: ‘Vicentinho, você votou contra’. Eu pensei ai, meu Deus do céu. Corri na tribuna, peguei o microfone e me retifiquei (à bancada)", concluíu.

Leia também: Eduardo Bolsonaro minimiza decisão sobre o Coaf: "Derrota com gosto de vitória"

Apesar da confusão, o voto do deputado do PT não foi determinante no resultado. O plenário da Câmara decidiu, por 228 a 210 votos, tirar o Coaf de Moro e devolvê-lo ao Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes. O governo, no entanto, conseguiu manter a atual estrutura na Esplanada com 22 pastas, sem a recriação do Ministério das Cidades.