Tamanho do texto

Filho mais novo do presidente, 'Bolsokid' republicou mensagem com críticas a parlamentares que se opuseram às manifestações do dia 26; entenda aqui

bolsonaro e filho
Reprodução/Facebook
Bolsonaro e o filho mais novo, Jair Renan

Conhecido como 'Bolsokid', Jair Renan Bolsonaro, o quarto filho do presidente, republicou uma mensagem em suas redes sociais com críticas à deputada estadual Janaina Paschoal (PSL) e ao deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP). Aliados do governo, os dois parlamentares se opuseram às manifestações a favor de Bolsonaro no próximo domingo (26). 

Leia também: Presidente do PSL diz que manifestações para apoiar Bolsonaro são "sem sentido"

Em seu 'stories' do Instagram, Renan Bolsonaro publicou uma foto da camiseta usada por eleitores do presidente com a frase "meu partido é o Brasil", fazendo referência à data do protesto. Pouco depois, em outra imagem, republicou uma mensagem de um usuário do Twitter com críticas aos dois deputados. 

"Que o acontecido com Jair Bolsonaro sirva de lição pra você na sua casa que acha que tem amigos só porque um monte de gente te chama pra sair sábado... Será que você poderá contar com eles quando não tiver condições de pagar a conta? Abra os olhos, o mundo é cheio de Kims e Janainas", diz a publicação. 

Janaina Paschoal  é uma das aliadas do governo que  criticaram os atos convocados para o próximo domingo. A parlamentar afirmou que o presidente está confundindo propositalmente discussões democráticas com "toma-lá-da-cá" e disse que ele e os filhos colocam o governo em risco. "Acordem! Dia 26, se as ruas estiverem vazias, Bolsonaro perceberá que terá que parar de fazer drama para TRABALHAR!", escreveu.

Leia também: "Não é momento para manifestações duras nem pró nem contra", afirma Doria

Kim Kataguiri afirmou que as pautas defendidas pelo ato do dia 26, como o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e a posição crítica ao Congresso, são "antiliberais, anticonservadoras e antirepublicanas".  O líder do MBL disse ainda que Bolsonaro "quando erra, tem que ser criticado" e que a idolatria ao presidente pode ser comparada ao PT e a "uma CUT azul".