Tamanho do texto

Roberto Leonel participou de evento sobre combate à corrupção ao lado de Moro, que também aproveitou para questionar a transferência do Coaf

Roberto Leonel
Reprodução/TV Globo
O presidente do Coaf, Roberto Leonel, defendeu a autonomia do órgão

O Presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) defendeu a permanência do órgão no Ministério da Justiça. Roberto Leonel se posicionou nesta segunda-feira (13) durante um congresso sobre combate à corrupção que aconteceu em Curitiba e também contou com a presença do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Leia também: O que faz o Coaf e o que muda com a retirada do órgão do Ministério da Justiça

"O mais importante é que o Coaf tem uma maior proximidade, uma maior interação ou uma maior aderência aos órgãos do Ministério da Justiça . Praticamente 80% dos nossos relatórios de inteligência financeira são direcionados a órgãos de persecução penal, Ministério Público, Polícia Civil, Polícia Federal", afirmou Leonel.

Anteriormente, Leonel  havia minimizado os efeitos da transição afirmando que o órgão possui “autonomia operacional” e isso não deve mudar. Na ocasião, ele também disse que o Coaf deve se fortalecer esse ano, com contratação de mais pessoal, entre outras medidas.

Leia também: "Governo vai continuar atuando para fortalecer o Coaf", diz Sérgio Moro

Sergio Moro também comentou a  troca de comando do órgão no evento de Curitiba. Para o ministro, a tendência é que ele seja “negligenciado” na alçada do Ministério da Economia. "A tendência é ele ficar negligenciado no Ministério da Fazenda ou da Economia. Na Justiça e Segurança Pública, nós reconhecemos o valor estratégico dele", disse o ex-juiz. Moro também garantiu que a disputa pelo controle do Coaf não é uma questão pessoal com o ministro da Economia, Paulo Guedes.