Tamanho do texto

Bolsonaro é um aliado de Juan Guaidó desde que o líder da Assembleia Venezuelana se autodeclarou presidente em oposição a Nicolás Maduro

Bolsonaro
Alan Santos/PR
Jair Bolsonaro voltou a declarar apoio a Juan Gauidó na Venezuela


O presidente Jair Bolsonaro reuniu na manhã desta quarta-feira (1º) com ministros e comandantes das Forças Armadas na sede do Ministério da Defesa, para tratar do aprofundamento da crise na Venezuela, no dia seguinte à operação da oposição para derrubar Nicolás Maduro promovida por Juan Guaidó.

Leia também: EUA dizem estar preparados para intervenção militar na Venezuela

Falando com repórteres na saída do encontro, Bolsonaro afirmou que, na avaliação dele, não houve "derrota" na tentativa de terça-feira de depor Maduro, liderada pelo presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó .

"Não tem derrota nenhuma. Eu até elogio, reconheço o espírito patriótico e democrático que ele tem, por lutar por liberdade em seu país", afirmou Bolsonaro .

No início da manhã de terça-feira (30), Guaidó anunciou que conseguira apoio das Forças Armadas para derrubar Nicolás Maduro e convocou a população a sair às ruas para pressionar o regime bolivariano.

Leia também: Guaidó convoca população da Venezuela para novo protesto nesta quarta-feira

Não houve ruptura na cúpula das Forças Armadas, que sustentaram o apoio a Maduro. Ao fim do dia, militares desertores e líderes da oposição, como Leopoldo López, que estava em prisão domiciliar e foi libertado por aliados de Guaidó, recuaram e se refugiaram em embaixadas.

Bolsonaro expressou a esperança de que as Forças Armadas abandonem Maduro.

"O informe que temos é que existe uma fissura sim, que cada vez mais se aproxima da cúpula das Forças Armadas. Então, existe a possibilidade de o governo ruir pelo fato de alguns da cúpula passarem para outro lado", disse.

O presidente disse que, ao contrário do que se pensava, 25 militares venezuelanos não se refugiaram na embaixada brasileira. Bolsonaro deixou a entender que, embora tenham tentado, não conseguiram chegar até lá.

Leia também: Maduro troca chefe do serviço de inteligência da Venezuela

"Não conseguiram entrar na embaixada, porque como temos visto na Venezuela, por parte da ditadura do Maduro, existem cordões de isolamento para que não cheguem na embaixada com facilidade".

O presidente disse que não há contato do governo americano para usar o território brasileiro para realizar uma operação militar na Venezuela, "por enquanto".

 "Por enquanto, ainda não há nenhum contato. Se porventura vier, o que é normal acontecer é o presidente reunir o Conselho de Defesa, tomar a decisão e participar o Parlamento brasileiro".

O presidente também afirmou que a interrupção do fornecimento de energia da Venezuela para Roraima tem um alto custo para o Brasil. O estado é abastecido pela usina de Guri, no país vizinho, mas agora está usando termelétricas.

"Ao não fazer manutenção da rede de transmissão, não recebemos mais energia elétrica de Guri, da Venezuela. A situação é emergencial, não podemos continuar de forma eterna com a energia de óleo diesel porque a gente paga cerca de R$ 1 bilhão pela energia de Roraima", explicou.

Bolsonaro é um aliado de Juan Guaidó desde que o líder da Assembleia Venezuelana se autodeclarou presidente da Venezuela em oposição a Nicolás Maduro.