Tamanho do texto

Bolsonaro voltou a elogiar o presidente da Câmara, dizendo que ele é " importantíssimo para o futuro de 208 milhões" de brasileiros. Confira

Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia
Antonio Cruz/Agência Brasil
Depois de conflitos, o presidente Jair Bolsonaro voltou a elogiar Maia, na tentativa de deixar bom cenário para a aprovação da reforma da Previdência


O presidente Jair Bolsonaro voltou a elogiar, neste sábado (27), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Segundo ele, o que ambos podem fazer juntos "não tem preço". 

Leia também: Bolsonaro rebate Lula: "Pelo menos não é bando de cachaceiro" que governa o País

Bolsonaro acrescentou, ainda, que Maia é "importantíssimo para o futuro de 208 milhões" de brasileiros. " O que nós dois juntos podemos fazer não tem preço. E 208 milhões de pessoas precisam de mim e dele, em grande parte de vocês", afirmou, em entrevista a repórteres. 

O capitão reformado evitou entrar em um novo atrito com o presidente na Câmara. Em entrevista ao site Buzzfeed , Maia afirmou que o vereador Carlos Bolsonaro pode "ser doido à vontade", mas quem controla as redes sociais é o pai. Sobre Eduardo Bolsonaro, disse que o deputado era do "baixíssimo clero" e que ele pode "ter um momento de deslumbramento." 

Leia também:  Desde que iniciou ataques a Mourão, 58% dos posts de Carlos são sobre o vice

"Tenho certeza que é fake. Eu gosto do Rodrigo Maia. Tenho respeito por ele e ele por mim - disse Bolsonaro, contando que pediu para o chefe da Casa Civil, ministro Onyx Lorenzoni, entrar em contato com Mia na noite de sexta-feira (26) e reforçar que os dois são importantes para o País. 

Durante a tramitação da reforma da Previdênia na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Bolsonaro e Maia trocaram farpas públicas . O presidente  foi criticado por Maia por não se empenhar pela reforma.

Após a aprovação do texto na CCJ na última quarta, Bolsonaro , em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão, elogiou o presidente da Câmara pelo empenho.  Na quinta-feira (25), o presidente disse à imprensa que espera que a tramitação siga de forma tranquila na comissão especial  e no Plenário.