deputado Eduardo Bolsonaro
Alan Santos/PR
Eduardo Bolsonaro defendeu Carlos Bolsonaro e Olavo de Carvalho

A confusão entre o vereador Carlos Bolsonaro (PSC), o escritor Olavo de Carvalho e o vice-presidente Hamilton Mourão ganharam mais um personagem nesta quarta-feira (24): o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ). Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo , o parlamentar defendeu o irmão e reforçou as críticas ao vice de seu pai, o presidente Jair Bolsonaro (PSL). 

Eduardo Bolsonaro avaliou a  polêmica em torno do vídeo em que Olavo critica militares e aliados do governo, que foi compartilhado por Carlos nas redes sociais. O deputado defendeu o escritor, afirmou que ele é "uma grande referência" e falou que as declarações de Mourão causam ruído. 

"Ele é uma grande referência. E o que tem causado bastante ruído são as sucessivas declarações do vice-presidente de maneira contrária ao presidente da República. O que parece é que, se o general conseguir cumprir a missão dele, que é substituir o presidente no caso da ausência, tudo bem. Ou as missões que o presidente der a ele. Se ele for um soldado do presidente, tudo se encaixa", declarou Eduardo. 

Questionado sobre o comportamento de Carlos , que alimenta a discussão contra o vice em um momento em que o governo tenta aprovar a reforma da Previdência, ele voltou a atacar: "Será que esse conselho não é válido para o vice-presidente? Que todo mundo faça uma autorreflexão". 

"É claro que o foco aqui é na Previdência. Existe limite para as coisas. São muitas declarações. Várias vezes as pessoas trazem reclamações relativas ao vice-presidente. Eu falo, olha, segura, é um cara bom, leal. Mas chega um momento que as pessoas começam a falar, ‘Eduardo, você é ingênuo ou está tapando os olhos para a realidade?'", completou. 

Eduardo disse que seu irmão e Olavo de Carvalho estão "apenas reagindo" ao  "que salta aos olhos" de quem acompanha a política e criticou o fato de o general Mourão ter curtido um post da jornalista Rachel Sherazade em que, nas palavras dele, ela "mete o pau" em Jair Bolsonaro. A curtida foi uma das causas do  pedido de impeachment do vice, protocolado por Marco Feliciano.

"Isso daí não é conduta de vice. Bolsonaro fala que é contra o aborto, ele fala que é a favor. Olha, tudo bem, é uma opinião dele. Mas, vice-presidente, a função dele não é dar opinião, ele já deu. Ele já apareceu neste tempo aí somado mais que José Alencar, Marco Maciel, Itamar Franco e o Temer, que eram vices", opinou. 

O filho do presidente afirmou ainda que seu objetivo não é causar polêmica e que, depois da aprovação da reforma da Previdência, o assunto se tornará "página virada" e o governo vai virar uma nova. O parlamentar também comentou o  sigilo que o governo aplicou aos dados que embasam a reforma. 

Eduardo Bolsonaro alega que, se os dados forem apresentados, a oposição vai "arranjar outra desculpa para tentar segurar a votação". "Eles sabem que, com uma reforma bem feita, o Brasil deslancha e isso cai na conta do Jair Bolsonaro, assim como, se a reforma não for feita e o Brasil quebrar, também vão tentar botar na conta do Bolsonaro, para tentar colocar alguém do partido deles, ou com perfil similar ao deles, de volta no poder", argumentou. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários