Bolsonaro critica ossada
Reprodução/Twitter
Quando era parlamentar, Bolsonaro criticava análise de ossadas para identificação de desaparecidos

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou um decreto que encerra o Grupo de Trabalho Perus (GTP), responsável por identificar corpos de desaparecidos políticos entre as 1.047 ossadas da vala comum do cemitério de Perus, na zona norte de São Paulo. A ação também extingue conselhos, grupos e comissões de administração pública federal direta, autarquias e fundações.

Leia também: Impasse sobre votação da reforma da Previdência na CCJ é o destaque desta semana

O grupo tinha como objetivo concluir a identificação de vítimas da ditadura militar, de pessoas mortas em chacinas e por grupos de extermínio, que depois esconderam os corpos. O GTP era vinculado ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e ainda não foi especificado como o trabalho de identificação das ossadas deve prosseguir – ou se prosseguirá.

Leia também: Carlos Bolsonaro promete iniciar "nova fase" e diz que não se importa com poder

Segundo a pasta, a situação está sendo avaliada e estudada e o Ministério pretende propor “algo dentro dos parâmetros do decreto”. Quando era parlamentar, Bolsonaro criticava as buscas pelos desaparecidos, pousando ainda ao lado de um cartaz referente às buscas realizadas em Araguaia que dizia: “Quem procura osso é cachorro”.

A vala de Perus foi descoberta em 1990 e serviu para que policiais e militares enterrassem políticos assassinados com nome falso na década de 70. Seis deles já foram encontrados na vala e outros sete foram localizados em sepulturas sem identificação. Suspeita-se que cerca de 40 desaparecidos ainda estejam na vala.

Leia também: PF quer prorrogar inquérito sobre facada contra Bolsonaro

O laboratório da International Commission on Missing Persons (ICMP) já recebeu 500  ossadas para análise, primeiro em Saravejo, na Bósnia, e depois em Haia, na Holanda. O militante do Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), Dimas Casemiro – morto a tiros – e o líder da vanguarda Popular Revolucionária (VPR), Aluísio Palhano – torturado por homens sob o comando do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra - já foram identificados pelos estudos da ICPM.

Ministério dos Direitos Humanos e da Mulher nega

Em nota, a ministra Damares Alves negou que o decreto encerre o GTP e explicou que as análises já eram feitas de maneira diferente. Confira a nota:

Atualmente, a análise forense é realizada por quatro peritas fixas contratadas pela Prefeitura de São Paulo, o que é possibilitado por um convênio entre essa e o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.
Além destas profissionais, o GTP conta, ainda, com peritos rotativos da perícia oficial do país e professores universitários, residentes em diferentes localidades do Brasil, que se dedicam uma semana por mês aos trabalhos. As passagens e as diárias são garantidas pelo Ministério.

As atividades do GTP contemplam ainda entrevistas e coletas de amostras de sangue de familiares, em diversas cidades do país, para exames de DNA.

Todas as etapas dos trabalhos periciais são realizadas em absoluto respeito aos princípios éticos e humanitários e conforme os protocolos científicos nacionais e internacionais para análise de remanescentes ósseos e coleta de amostra biológicas de familiares para exames genéticos com fins de identificação.

    Veja Também

      Mostrar mais