Tamanho do texto

Tucano estava preso em função das investigações da Operação Quadro Negro, que apura a suspeita de desvios de recursos destinados à construção e reformas de escolas públicas estaduais entre os anos de 2012 e 2015

Beto Richa
Marcelo Camargo/ABr
Beto Richa, ex-governador do Paraná, deve deixa a cadeia ainda hoje

A Justiça do Paraná mandou soltar hoje (4) o ex-governador do Paraná Beto Richa, preso no mês passado, por determinação 9ª Vara Criminal de Curitiba, em função das investigações da Operação Quadro Negro, que apura a suspeita de desvios de recursos destinados à construção e reformas de escolas públicas estaduais entre os anos de 2012 e 2015. 

Leia também: Suspeito de desviar R$ 22 milhões de escolas, Beto Richa é preso pela 3ª vez

A soltura de Beto Richa foi determinada pela segunda instância do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) após pedido de liberdade feito pela defesa. Por dois votos a um, os desembargadores optaram por libertador o tucano. Ele havia sido predo no último dia 19.

De acordo com as investigações, parte do dinheiro desviado teria sido usado em campanhas eleitorais de Beto Richa . Com essa, o ex-governador do Paraná já acumula três passagens pela prisão em um ano. Desta vez, a prisão do tucano foi determinada pelo juiz Fernando Bardelli Silva Fischer, da 9ª Vara Criminal de Curitiba.

O ex-governador também havia sido capturado na Operação Radiopatrulha, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e pela Operação Integração, desdobramento da Operação Lava Jato na Justiça Federal.

Leia também: Gilmar concede novo salvo-conduto à família do ex-governador Beto Richa

Segundo o despacho que determinou a prisão do tucano , "o investigado Carlos Alberto Richa, então governador do Estado do Paraná à época dos fatos, é apontado pelo Ministério Público como o chefe da organização criminosa e principal beneficiado com o esquema de recebimento de propinas advindas das empresas privadas responsáveis pela execução das obras nas escolas públicas estaduais".

Ainda de acordo com os investigadores, o ex-governador do Paraná  "vem praticando atos ilícitos há décadas". Os promotores destacam também que "a prática de ilícitos de grande gravidade é uma constante" para o tucano.

Leia também: Fotos entregues por delator mostram Beto Richa em viagem de luxo com empresários

Ao pedir a liberdade do ex-governador, a defesa disse que a nova prisão do ex-governador foi infundada e está relacionada a "fatos antigos sobre os quais todos os esclarecimentos necessários já foram feitos". Segundo os advogados, os desvios na rede pública de ensino foram descobertos e denunciados por Beto Richa.  

Beto Richa  também é alvo de denúncias na Operação Lava Jato, que o acusa de se beneficiar de esquemas de propina em concessões de rodovias.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.