Tamanho do texto

Presidente voltou a defender que "cidadãos que querem se proteger e proteger suas famílias" tenham armas; em janeiro, ele flexibilizou o posse

Durante viagem oficial a Israel , o presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender, nesta segunda-feira (1ª), o decreto assinado em janeiro que flexibiliza o posse de armas de fogo no Brasil.

Bolsonaro segura submetralhadora
Reprodução/Instagram
Em Israel, Bolsonaro posa com arma e critica lei do desarmamento

Em uma postagem no Instagram, Bolsonaro posou segurando uma submetralhadora e escreveu um texto favorável à posse de armas, além de reiterar sua opinião de que o desarmamento não evita que crimes aconteçam.

Leia também: Hamas critica visita de Bolsonaro a Israel e pede reação de países árabes

"O que torna uma arma nociva depende 100% das intenções de quem a possui. Defendo a liberdade, com critérios, para cidadãos que querem se proteger e proteger suas famílias", afirmou o presidente. "Leis de desarmamento só funcionam contra aqueles que respeitam as leis; quem quer cometer crimes já não se preocupa com isso", acrescentou.

Uma das principais promessas de campanha durante as últimas eleições, a flexibilização do posse de armas foi tema de decreto assinado em 15 de janeiro pelo presidente e, desde então, todo cidadão com mais de 25 anos pode ter até quatro armas em casa, desde que se encaixe nas novas regras .

Durante o evento onde anunciou a medida, Bolsonaro disse que "o povo decidiu por comprar armas e munições". A nova regulamentação não alterou as regras sobre o porte e, por isso, o cidadão que comprar uma arma não poderá carregá-la na rua.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.