Tamanho do texto

Ministro do STF revelou que amigo, chamado apenas de Vladimir, roubou o processo de um despejo, que agora abriga um conjunto habitacional; imagens foram gravadas em 2014, mas voltaram à tona nas redes neste fim de semana

Na última quarta-feira, movimentos protocolaram um processo de impeachment contra o presidente do STF, Dias Toffoli
Will Shutter/Câmara dos Deputados - 4.2.2019
Na última quarta-feira, movimentos protocolaram um processo de impeachment contra o presidente do STF, Dias Toffoli

Um vídeo de 2014 do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, voltou a circular neste fim de semana e causou polêmica nas redes sociais. Em uma palestra com alunos da USP, quando já era ministro mas ainda não presidia a Corte, ele conta, rindo e em tom informal, que um amigo teria roubado um processo de despejo. 

Leia também: Toffoli pede apuração de relatório da Receita sobre Gilmar Mendes

No vídeo, Dias Toffoli conta que um amigo advogado, chamado apenas de Vladimir, teria roubado um processo de despejo após a liminar de um juiz do Tribunal Regional Federal (TRF). "Ia ter o despejo no dia seguinte, o juiz deu a liminar, a gente tinha que suspender", afirmou, aos risos.

"A gente [estava] no Jurídico, o Vladimir sai correndo e some, e volta com o processo na mão. Perguntamos o que ele tinha feito e ele disse ‘eu roubei o processo, não vai ter mais processo amanhã’. Tem que bater palma pro Vladimir, porque hoje, onde ia ter despejo, agora tem um conjunto habitacional. E essas pessoas moram lá até hoje”, completa. 




Com a viralização do vídeo, internautas e comunicadores chegaram a indagar se Toffoli não teria cometido uma quebra de decoro na ocasião. O ministro não chegou a comentar recentemente as imagens. 

Na última quarta-feira, os movimentos Brasil Livre (MBL) e Vem pra Rua, protocolaram um  pedido de impeachment contra Toffoli por interferência na eleição para a escolha do presidente do Senado. O requerimento vai pedir para que o magistrado seja afastado não apenas da presidência do tribunal, mas também da função de ministro .

Cabe justamente ao Senado abrir um processo de impeachment contra ministros do Supremo Tribunal Federal. Para isso, o pedido é analisado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e, se aprovado, encaminhado para que a presidência decida se coloca ou não em votação no plenário.

Leia também: Ex-presidente da OAS revela em delação que pagou propina para irmão de Toffoli

Na denúncia, os advogados alegam que  Dias Toffoli  se sobrepôs a independência dos três poderes ao interferir em uma decisão soberana do legislativo. “O STF como guardião constitucional, não possui condão de se sobrepor à consagrada separação de Poderes. O ministro agiu em notória atuação desidiosa e incompatível com a honra, dignidade e decoro de suas funções”, diz o texto que será encaminhado ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre. 

    Leia tudo sobre: impeachment
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas