Tamanho do texto

Presidente da Câmara disse considerar que o ambiente para votar a reforma é "bom"; Para ele, Previdência é mais importante do que pacote de Moro

Rodrigo Maia assumiu a articulação política da reforma da Previdência e tem se reunido com governadores
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
Rodrigo Maia assumiu a articulação política da reforma da Previdência e tem se reunido com governadores

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse considerar que o Brasil tem agora a "última chance" de aprovar a reforma da Previdência sem tirar direitos da população. Para o deputado, a demora na aprovação do projeto poderia causar um “colapso fiscal”.

Em entrevista concedida à GloboNews nesta quarta-feira (6), Maia disse que o ambiente para votar a proposta é bom e informou que o plenário deve votar o tema até a segunda quinzena de maio . Segundo o parlamentar, a articulação para a votação da reforma da Previdência é prioridade sobre o projeto de lei anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Os dois textos devem tramitar em paralelo pelas comissões da Câmara, mas a Previdência deve chegar antes ao plenário. “Se a gente antecipar esse debate [sobre a proposta de Moro], podemos contaminar o da Previdência”, explicou. O texto de Moro deve passar por mais comissões e debates antes de ser votado em definitivo.

Quando o governo Bolsonaro enviar a proposta da Previdência, o texto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, em seguida, por uma comissão especial. Somente depois disso ele deverá ser colocado em votação pelo plenário.

Com o objetivo de acelerar a aprovação do projeto, uma possibilidade seria incluir a proposta do governo Bolsonaro no texto enviado por Michel Temer (MDB) em 2016, que já foi aprovado pela comissão especial e está pronto para ser votado no plenário. Maia, no entanto, critica a opção . “Se marcarmos a votação para esse mês, a possibilidade de um resultado contrário seria muito grande. Se fizer isso, vamos transformar o plenário em um campo de guerra.”

Após sua reeleição à presidência da Câmara, Rodrigo Maia assumiu um papel fundamental na articulação política da proposta da reforma. “Quando [a proposta] chegar na Câmara, a responsabilidade será minha”, afirmou.

Nesta terça-feira (5), ele se reuniu com a equipe econômica de Bolsonaro , incluindo o ministro da Economia, Paulo Guedes. Durante a entrevista, Maia também revelou que tem se encontrado com governadores de todos os estados para defender a reforma na base.

Leia também: Reeleito, Maia prega o diálogo para construir reformas "de forma pactuada"

“A Câmara me deu uma responsabilidade muito grande com a votação que eu tive. Isso me obriga a liderar grandes votações”, afirmou. Como vem sendo feito por todos os líderes, Maia pregou a união e disse que não se trata de uma votação nem de esquerda nem de direita. Para ele, a reforma da Previdência é algo necessário para todo o país.