Tamanho do texto

Fórum Econômico Mundial, conhecido por suas reuniões anuais em Davos, na Suíça, começa na próxima semana. Devido ao interesse internacional sobre o novo governo brasileiro, organizadores deram a Bolsonaro lugar privilegiado

Jair Bolsonaro será o primeiro presidente latino-americano a abrir sessão do Fórum de Davos
Marcos Corrêa/PR - 11.1.19
Jair Bolsonaro será o primeiro presidente latino-americano a abrir sessão do Fórum de Davos

Jair Bolsonaro será figura de estaque na sessão inaugural do Fórum Econômico Mundial, que acontece entre os dias 21 e 25 de janeiro, em Davos, na Suíça. Como primeiro presidente latino-americano a falar na sessão de abertura (o evento mais aguardado no primeiro dia de debates), Bolsonaro terá a chance de se apresentar à elite das finanças internacionais e à imprensa global.

Leia também: Bolsonaro reclama de "falácias" contra posse de armas após 'levar bronca' de ONG

O Itamaraty e os organizadores do evento já vinham negociando o lugar de Bolsonaro em Davos desde sua vitória nas eleições presidenciais, em outubro de 2018. O espaço privilegiado oferecido ao brasileiro pelos organizadores remete ao interesse internacional sobre as novas diretrizes do governo brasileiro.

No centro do discurso de Jair Bolsonaro deverão entrar temas como abertura comercial, reforma da Previdência e combate à corrupção. A oportunidade servirá principalmente para desfazer a imagem negativa sobre o novo governo que tem se formado no cenário internacional. De acordo com os organizadores do  Fórum Econômico Mundial não haverá espaço para perguntas após o discurso do presidente brasileiro.

Leia também: Posse de armas: veja o que pode e o que não pode após decreto de Bolsonaro

No entanto, durante o Fórum de Davos , Bolsonaro deverá ser pressionado quanto a suas posições no que se refere ao capítulo climático. A cada ano, o departamento que lida especificamente com o assunto sobre mudanças climáticas em Davos têm ganhado mais espaço, com o objetivo de conseguir um compromisso das grandes multinacionais a agir para reverter a tendência relativa às emissões de CO2. Portanto certamente haverá cobrança de compromisso por parte do Brasil nesse setor. ONGs internacionais que farão parte do evento em Davos também indicam que vão buscar esclarecimentos sobre a postura do governo sobre questões como direitos humanos.

Leia também: Presidente americano cita comparação com Bolsonaro: "Trump da América do Sul"

Na terça-feira (15), o fundador do evento, Klaus Schwab, antecipou para a imprensa nacional que Bolsonaro seria "muito bem recebido" na estação aos pés da Montanha Mágica. Além do palco na sessão de abertura, Bolsonaro vai participar também de um jantar fechado que reunirá os presidentes Iván Duque (Colômbia), Lenín Moreno (Equador), Martín Vizcarra (Peru) e Carlos Alvarado Quesada (Costa Rica).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.