Tamanho do texto

Em novembro, a PF também investigou um vídeo em que um homem fala em atirar no presidente eleito; GSI fala em aumentar a segurança no dia da posse

Conteúdo das postagens que ameaçam Jair Bolsonaro ainda não foi divulgado
Reprodução/Twitter
Conteúdo das postagens que ameaçam Jair Bolsonaro ainda não foi divulgado

A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta quinta-feira (13), um mandado de busca e apreensão no bairro do Maracanã, no Rio de Janeiro, para investigar o autor de postagens nas redes sociais com ameaças de morte ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, durante a campanha presidencial. 

Leia também: TSE nega segunda ação do PT contra Bolsonaro por abuso de poder econômico

O mandado foi expedido pela 7ª vara da Polícia Federal Criminal do Rio de Janeiro e investiga o cometimento do delito do art. 23, I, da Lei 7.170/83. O caso é considerado como "subversão da ordem política" por ameaça de morte a Jair Bolsonaro . O suspeito é um homem de 23 anos cujo nome ainda está sob sigilo de justiça. 

Segundo a PF, o investigado também teria insultado o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão.  Na casa do suspeito foram apreendidos um notebook, um celular e uma CPU de computador.  O conteúdo das postagens que ameaçam Bolsonaro não foi divulgado. 

A diligência da Polícia Federal tem como objetivo também identificar outras pessoas que “eventualmente estejam envolvidas na prática delituosa, bem como materializar outras condutas criminosas do investigado”. A pena do crime citado prevista na Lei de Segurança Nacional é de reclusão de 1 a 4 anos.

Não é a primeira vez que a PF investiga casos de ameaça ao presidente eleito. Em novembro, a PF investigou um  vídeo em que um homem aparece armado com duas pistolas, falando em atirar no presidente eleito. "Bolsonaro, tu vai entrar na bala. A gente tá boladão. Vai entrar na bala, Bolsonaro", diz o homem que aparece nos vídeos.

Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente eleito, compartilhou o vídeo nas redes sociais e demonstrou preocupação com a segurança do pai. No outro vídeo que é analisado pelo serviço de inteligência da PF, um homem exibe um fuzil em direção a uma rua escura e, sem mostrar o rosto, faz ameaças. 





No início de dezembro, o  ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, afirmou que o presidente eleito sofreu novas ameaças. Ele afirmou que a segurança de toda a família Bolsonaro será reforçada durante a cerimônia de posse, no dia 1º de janeiro, e durante o mandato. 

Também vale lembrar que Bolsonaro sofreu um atentado a faca durante a campanha presidencial, em Juiz de Fora. “Temos um presidente que sofreu um atentado e vem sofrendo agressões constantes, basta ver nas mídias sociais, a quem tem que ser dada a garantia, não a ele, mas também ao vice-presidente, das melhores condições de governo", afirmou o ministro.

"Certamente a segurança do presidente eleito [ Jair Bolsonaro ], da nova administração, exigirá cuidados mais intensos, mais precisos.” encerrou. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas