Tamanho do texto

Operação é baseada em delações de Joesley e Saud; são investigados ainda Cristiane Brasil, Agripino Maia, Antonio Anastasia e Benito da Gama

Alvos são apartamentos do senador Aécio Neves (PSDB) e da irmã dele, Andrea Neves, no Rio de Janeiro
Lula Marques/Agência PT - 30.8.16
Alvos são apartamentos do senador Aécio Neves (PSDB) e da irmã dele, Andrea Neves, no Rio de Janeiro

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público cumprem, na manhã desta terça-feira (11), mandados de busca e apreensão em imóveis ligados ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) e da irmã dele, Andréa Neves, no Rio e em Minas Gerais. Também são feitas buscas em endereços ligados ao deputado federal Paulinho da Força (SD-SP).

Leia também: PGR pede que inquérito contra Aécio Neves seja prorrogado no Supremo por 60 dias

Os envolvidos são investigados pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Além de Aécio Neves e o deputado do Solidariedade, também são apuradas acusações contra os senadores Agripino Maia (DEM-RN) e Antonio Anastasia (PSDB-MG) e os deputados federais Benito da Gama (PTB-BA) e Cristiane Brasil (PTB-RJ).

Ao todo, são cumpridos 24 mandados de busca e apreensão, assim como 48 intimações para oitivas. A ação ocorre no Distrito Federal, em São Paulo, Minas Gerais, no Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e na Bahia, além de Mato Grosso do Sul, do Tocantins e Amapá. 

Apelidada de Operação Ross , a ação conta com 200 homens, que investigam o recebimento de vantagens indevidas por parte dos parlamentares no período de 2014 a 2017. Essa operação é um desdobramento da Patmos, deflagrada pela PF em maio de 2017. 

Leia também: STF autoriza reabertura de inquérito que investiga senador Aécio Neves

De acordo com a PF, os valores investigados, que teriam sido utilizados também para a obtenção de apoio político, ultrapassam R$ 100 milhões.

Todos os mandados de busca e apreensão deflagrados nesta terça-feira pela PF foram autorizados a partir do inquérito 4.519, relatado pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF).  

A operação de hoje se baseia em informações cedidas pelo empresário Joesley Batista e pelo executivo Ricardo Saud, em delação premiada, que teriam relatado a promotores a emissão de notas fiscais frias. Há denúncias também, que estão sob investigação, sobre a suposta compra de apoio político do Solidariedade, e que empresários teriam ajudado com doações de campanha e caixa dois , por meio de notas frias.

Leia também: Aécio não informou à junta de Minas Gerais sobre os negócios de R$ 6,6 milhões

O nome da Operação Ross, que tem como principais alvos Aécio Neves e Paulinho da Força, é uma referência ao explorador britânico que dá nome à maior plataforma de gelo do mundo, na Antártida. A ideia da PF é fazer uma alusão às notas fiscais frias que estão sendo investigadas nesta terça-feira.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.