Tamanho do texto

Equipe do presidente prepara relatórios sobre quem é quem em cargos com salários entre R$ 30 mil e R$ 60 mil e que tenham apadrinhamento político

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) pretende fazer uma limpeza e acabar com a farra de muitos dos apadrinhados políticos pelo MDB e PT que ocupam cargos em bancos federais, como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

Leia também: Teve broncas e críticas: Entenda como foi o depoimento de Lula em cinco tópicos

Bolsonaro pretende acabar com farra de apadrinhados políticos
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 14.11.18
Bolsonaro pretende acabar com farra de apadrinhados políticos

A equipe de Bolsonaro já prepara relatórios sobre quem é quem em cargos com salários entre "R$ 30 mil e R$ 60 mil. O presidente eleito quer saber quem ocupa os lugares apenas por indicação política e promover uma ampla reestruturação no comando dos bancos estatais.

Na último terça-feira (13), o presidente eleito afirmou que vai cortar "30% dos cargos políticos nos bancos federais. “Pretendemos diminuir (o número de cadeiras) e colocar gente comprometida com outros valores lá dentro”, disse.

De acordo com as equipes de transição, as informações estão apontadas por grupos de funcionários "de carreira do Banco do Brasil (BB), da Caixa Econômica Federal (CEF), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Banco do Nordeste (BNB) e do Banco da Amazônia (BASA).

Após a análise dos relatórios, o presidente deve "cargos executivos - demitir não concursados e trocar funcionários de carreira nesses postos, afastando indicados políticos e até cortando funções para reduzir o quadro total.

Leia também: Lula é irônico e juíza rebate: "Se começar nesse tom comigo, teremos problemas"

Banco do Brasil na mira de Bolsonaro

Banco do Brasil sofre com cargos políticos
Reprodução/Facebook
Banco do Brasil sofre com cargos políticos

Apadrinhados políticos chegam a ocupar cargos com salário de até R$ 61,5 mil no BB. O grupo de funcionários que prepara um relatório sobre a situação do banco para apresentar à equipe de Bolsonaro está mirando especialmente executivos de carreira da instituição que foram nomeados durante os governos petistas.

Durante os 14 anos de governo do PT, o Banco do Brasil passou por uma ampliação de sua estrutura de comando. Além de nove vice-presidentes (salário de R$ 61,5 mil cada) e 27 diretores (R$ 47,7 mil), a instituição criou 11 cargos de gerente-geral (R$ 47,7 mil). A ampliação de diretorias para abrigar funcionários sintonizados com os partidos de sustentação do governo exigiria uma complexa mudança estatutária com remunerações acima do teto do funcionalismo público de R$ 33,7 mil. A folha de pagamento mensal de cargos executivos do banco representa um gasto total de R$ 28, 9 milhões.

Leia também: CNJ assume processo que apura atuação de desembargador que tentou libertar Lula

Na Caixa, a diretoria do banco tinha um presidente e seis diretores em 1994. Hoje, são 12 vice-presidentes que recebem salário de cerca de R$ 50 mil.

No fim de outubro, auxiliares de Bolsonaro reclamaram da decisão do presidente Michel Temer de chancelar a nomeação de quatro vice-presidentes, cargos que estavam vagos desde o começo do ano quando o governo recebeu recomendação do Banco Central e do Ministério Público do Distrito Federal para demitir executivos citados nas delações da Operação Lava Jato. O Palácio do Planalto informou ao grupo de Bolsonaro que o processo de seleção foi “profissional”.

A equipe de Bolsonaro afirma que a meta é fazer um pente-fino e espera que o Planalto passe a lista de apadrinhados na estrutura das instituições para acabar com o super-salários que superam até os vencimentos do Presidente da República,

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.