Tamanho do texto

Ex-presidente do PSL é cotado para assumir a Secretaria-Geral da Presidência da República; Jair Bolsonaro, contudo, ainda não confirmou vaga

Futuro ministro Onyx Lorenzoni participa de reuniões da equipe do governo de transição
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 12.11.18
Futuro ministro Onyx Lorenzoni participa de reuniões da equipe do governo de transição

O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, já confirmado para a Casa Civil no governo de Jair Bolsonaro, referiu-se nesta segunda-feira (12) a Gustavo Bebianno, ex-presidente do PSL, como "novo ministro" da Secretaria-Geral da Presidência da República. Os dois estiveram reunidos mais cedo na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Leia também: Presidente do PSL questiona isenção da Organização dos Estados Americanos

“Ainda hoje, junto com o futuro ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, fomos à casa do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, do DEM [do Rio de Janeiro], conversamos sobre o cenário atual, sobre o cenário futuro, e apresentamos como vai ser a condição de avaliar como pretendemos trabalhar com a Câmara dos Deputados”, disse Onyx .

Questionado se Bebianno estava sendo anunciado oficialmente, Onyx disse que expressou o “desejo de ver alguém que foi importante na campanha e quem tem todas as condições, participar do governo”. Porém, ressaltou que a definição está nas mãos do presidente eleito.

Segundo o ministro extraordinário, a Secretaria-Geral da Presidência da República deve ser extinta e as funções de articulação política da pasta devem ser acumuladas com a da Casa Civil. Ele reiterou que o governo eleito vai buscar ter uma boa relação com o Congresso Nacional e não vai interferir na escolha dos presidentes do Poder Legislativo.

Leia também: Para Eduardo Bolsonaro, MST é terrorismo e comunismo deve ser criminalizado

“O presidente não pretende intervir nas definições do comando da Câmara nem do Senado , porque todos os governos que forçaram a mão e fizeram a intervenção, e vocês sabem de quem eu estou falando, se deram muito mal com isso. A ideia, do presidente Bolsonaro, é respeitar a repartição dos poderes, a vontade e o desejo da maioria dos parlamentares, quer da Câmara ou do Senado."

Onyx disse que todo o novo desenho da Esplanada dos Ministérios pode ser definido pela equipe de transição até a próxima quarta-feira (14). Ele adiantou que os assuntos de saúde e educação devem ter prioridade nos próximos dias.

“Estamos aprofundando os debates internos em cima das áreas de saúde e educação, que são pontos prioritários para trabalhar nas próximas duas semanas, de acordo com o comando que recebemos do presidente. Nesta e na próxima semana, essas são áreas que vamos avançar.”

Onyx destacou que a proposta de Bolsonaro é reduzir dos atuais 29 ministérios para 15 a 17 pastas. “Essa conversa vai ser retomada e eu espero que talvez a gente possa pelo menos falar sobre o desenho definitivo. Mas, essa é uma escolha do presidente".

* Com Agência Brasil

Leia também: Bolsonaro considera "precipitada" decisão do Egito de cancelar viagem oficial 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.