Tamanho do texto

Nomeação do futuro chefe da Casa Civil foi publicada hoje no Diário Oficial; Lorenzoni coordenará a equipe de transição por parte do presidente eleito

Confirmado para assumir a Casa Civil no governo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni (DEM) passou os últimos dias em Brasília
Valter Campanato/Agência Brasil
Confirmado para assumir a Casa Civil no governo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni (DEM) passou os últimos dias em Brasília

O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) foi nomeado, pelo presidente Michel Temer (MDB), ministro extraordinário do governo. O decreto com a nomeação do agora ministro foi publicado, nesta segunda-feira (5), no Diário Oficial da União, seção 2, página 1.

Leia também: Governo de Bolsonaro pode prejudicar a imagem do Brasil no exterior, diz FHC

Segundo o nomeação, Onyx Lorenzoni exercerá a função de coordenador da equipe de transição, comandando as medidas tomadas por parte do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Confirmado para assumir a Casa Civil no governo Bolsonaro , Onyx passou os últimos dias em Brasília, preparando a chegada do presidente eleito, que desembarcará nesta terça-feira (6) na cidade, onde fica até a próxima quinta-feira (8). 

Antes mesmo do segundo turno das eleições, Lorenzoni também já vinha se encontrando com o ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, para negociar a transição de governo. Tais encontros eram parte das atribuições de Padilha durante as eleições. 

A transição funcionará no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), próximo ao Palácio do Planalto e à Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Nesse processo, representantes do atual governo Temer e da equipe de Bolsonaro se reunirão.

Leia também: Após eleição de Bolsonaro, Battisti diz acreditar nas instituições brasileiras

Ainda nesta semana, o presidente Michel Temer deve se encontrar com Bolsonaro, pela primeira vez após as eleições que o definiram como o futuro presidente do Brasil. 

Para o governo eleito, foram confirmados alguns nomes. Além de Onyx na Casa Civil, o juiz Sergio Moro será ministro de Bolsonaro na pasta da Justiça, o general da reserva Augusto Heleno assumirá a Defesa, o economista Paulo Guedes terá o superministério da Economia e o astronauta Marcos Pontes, a pasta da Ciência e Tecnologia.

Leia também: Rodrigo Maia e Renan Calheiros podem reocupar presidência da Câmara e do Senado

De acordo com relatos de assessores próximos a Bolsonaro, Onyx Lorenzoni  e sua equipe pretendem trabalhar em três etapas: a primeira para análise da situação, em seguida avaliação sobre como reduzir gastos e pessoal e a última, definição de metas e dados.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.