Tamanho do texto

Ministra Rosa Weber divulgou balanço de urnas substituídas e prisões, e garantiu que ações contra candidaturas serão "prioridade" no tribunal

Presidente do TSE, ministra Rosa Weber durante votação no segundo turno das eleições de 2018
Divulgação/TSE
Presidente do TSE, ministra Rosa Weber durante votação no segundo turno das eleições de 2018

A ministra Rosa Weber, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), anunciou balanço do segundo turno das eleições na noite deste domingo (28) e garantiu que o  processo de votação transcorreu na "absoluta normalidade".

"As eleições ocorreram na mais absoluta normalidade, com as intercorrências próprias e esperadas do processo eleitoral em país de dimensão continentais como o nosso", disse a presidente do TSE .

Questionada sobre os pedidos de impugnação apresentados pelas campanhas do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) , e de seu adversário Fernando Haddad (PT), Rosa Weber disse que o julgamento dos processos "de forma célere" é "prioridade", mas desde que seja "respeitado o devido tempo processual".

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF),  ministro Dias Toffoli, foi ainda mais enfático ao rebater o que chamou de "ataques injustos" à Justiça Eleitoral

"Como presidente do Supremo Tribunal Federal e, em nome do Poder Judiciário da nação brasileira, gostaria, em primeiro lugar de parabenizar a Justiça Eleitoral, que demonstrou estar plenamente à altura do seu papel como guardiã da democracia brasileira, em que pese os ataques injustos e que estão sendo apurados para condenar a quem atacou ao estado democrático de direito", disse.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, também reforçou a mensagem de que a eleição de hoje teve clima de "tranquilidade". Ele destacou que 312 mil agentes de segurança atuaram para que o processo eleitoral transcorresse bem.

Jungmann disse que as ações tomadas após o primeiro turno ajudaram a coibir a proliferação de fake news sobre o funcionamento das urnas eletrônicas. "No primeiro turno nós tivemos um vendaval de fake news que visavam desfazer a imagem, a higidez e a fidelidade do sistema das urnas eletrônicas. Neste segundo turno não tivemos nenhuma ocorrência que visassem desfazer a imagem de 22 anos de serviços prestados pela urna eletrônica", disse.

Os números da eleição deste domingo, segundo a presidente do TSE

A ministra Rosa Weber informou números e dados sobre a votação deste domingo, dentre os quais a confirmação de que a eleição de Bolsonaro para o cargo de presidente da República foi matematicamente concretizada às 19h18, quando 94,44% das urnas estavam apuradas. 

Mais de 147,3 milhões de eleitores estavam habilitados a votar neste domingo, número ligeiramente superior ao do segundo turno de 2014 (142,8 milhões). Segundo os registros do TSE, foram 25,8 milhões abstenções (21,07% do total) neste domingo, número menor que o registrado no primeiro turno, quando mais de 29,4 milhões de eleitores não foram às urnas.

Segundo Rosa Weber, um total de 4.658 urnas eletrônicas foram substituídas ao longo do período de votação, o que corresponde a 0,90% do total de 454 mil equipamentos instalados em todas as seções eleitorais dos 26 estados e do Distrito Federal. No primeiro turno, 4.099 que tiveram problemas e precisaram ser trocadas.

Os problemas registrados ao longo do dia obrigaram quatro municípios a terem votações manuais: Apuí (AM), Saubara (BA), Cordislândia (MG) e Magé (RJ).

A presidente do TSE também informou que a Justiça Eleitoral registrou neste domingo 480 ocorrências com eleitores, sendo que 236 casos resultaram em prisão. No segundo turno de 2014, houve 1.170 ocorrências, com 513 prisões.

Leia também: Analistas preveem dificuldades na relação entre Bolsonaro e o Congresso