Tamanho do texto

Levantamento ouviu 2.600 eleitores neste domingo e mostra candidato do PSC freando o crescimento do ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) em pesquisas

Wilson Witzel (PSC) disputa segundo turno com o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM)
Tânia Rêgo/Agência Brasil/Agência Brasil
Wilson Witzel (PSC) disputa segundo turno com o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM)

Pesquisa de boca de urna realizada neste domingo (28) pelo Ibope aponta o candidato Wilson Witzel (PSC) com 55% dos votos na corrida pelo governo do Estado. Eduardo Paes (DEM) tem 45% da preferência dos eleitores, segundo o estudo.

Leia também: Pesquisa de boca de urna em São Paulo aponta vitória de João Doria com 52%

O Ibope ouviu 2.600 eleitores para realizar a pesquisa de boca de urna no Rio de Janeiro , cuja margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Ex-prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes vinha em crescimento franco nas últimas pesquisas de intenção de voto e, nesse sábado (27), chegou a aparecer com 47% em estudo do Datafolha, e com 46% em pesquisa do próprio Ibope. O novo levantamento, no entanto, mostra que a reação do candidato do Democratas não foi suficiente.

Witzel chegou a superar a casa dos 60% em alguns levantamentos, mas o crescimento de Paes ameaçava sua eleição. Ex-juiz federal, o candidato chegou ao segundo turno da eleição no Rio de Janeiro após receber o apoio da família do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Leia também: Preso no mensalão, Roberto Jefferson apoia Bolsonaro e reclama de propina do PT

O candidato do PSC votou na manhã deste domingo no Grajaú Country Club, zona norte da cidade. O ex-juiz federal obteve mais de 41% dos votos, no primeiro turno, e disse que está confiante que o mesmo ocorrerá agora: “a expectativa é a mesma de sempre, de vitória.”

Witzel reforçou sua confiança no resultado das urnas. “É a melhor pesquisa que tem”, disse. “[Farei um governo] para o povo, ético, de resgate da moralidade, da esperança e que o povo do Rio de Janeiro volte novamente a acreditar na política.”

O crescimento de Paes na reta final de segundo turno, agora relativizado pela pesquisa de boca de urna no Rio de Janeiro , deveu-se à sua estratégia de 'desconstrução' de Wilson Witzel, que chegou à reta final da disputa mesmo sem ser plenamente conhecido pelo eleitorado do estado. O ex-prefeito, no entanto, não conseguiu reduzir sua taxa de rejeição.

Leia também: Se eleito, Bolsonaro viajará hoje do Rio a Brasília por "questão de segurança"

*Com reportagem da Agência Brasil